Archive for the VIOLENCIA Category

Torturado por otros militares un sargento brasileño por ser gay

Posted in NOTICIAS, VIOLENCIA on 8 de Junho de 2008 by os.maias

  • Denunció haber sufrido tortura física y psicológica tras saberse que tenía una relación con otro militar.
  • Los policías militares estrangularon a este sargento con una bolsa de plástico y le golpearon.
  • “Le obligan a quitarse toda la ropa para pasar por revista cuando sale de la celda para recibir visitas”.

Un sargento del Ejército brasileño denunció haber sufrido tortura física y psicológica de sus compañeros después de que hiciese público que mantenía una relación homosexual con otro militar, informaron hoy medios locales.

El sargento Laci Marinho de Araújo fue torturado por policías militares durante su traslado del hospital del Ejército a una comisaría militar en Brasilia, en donde está detenido acusado por deserción, según denunció Fernando Alcántara Figueiredo, su compañero sentimental, a la agencia Globo.

Según el relato de Figueiredo, los policías militares estrangularon a Araújo con una bolsa de plástico y le golpearon en las palmas de las manos usando técnicas que no dejan marcas. Además, durante su detención, Araújo ha sido sometido a diferentes vejaciones psicológicas, según indicó la misma fuente.

Como un animal peligroso

“Le tratan a gritos, como a un criminal peligroso, y le obligan a quitarse toda la ropa para pasar por revista cuando sale de la celda para recibir visitas”, explicó Figueiredo.

Araújo permanece esposado todo el tiempo y no se le ha permitido tomar la medicación que necesita, según el relato de su novio.

“Su estado de salud no es bueno y prometieron que lo iban a mantener hospitalizado. Estoy preocupado con su estado de salud”, agregó. Según un informe del Consejo de Defensa de los Derechos de la Persona Humana, Araújo sufre psicosis, esclerosis múltiple y disfunción vertiginosa laberíntica.

Entrevistado en una revista

Araújo fue detenido el pasado jueves acusado de deserción por haberse ausentado de su puesto de trabajo durante ocho días. Él alegó problemas de salud. Antes de ser transferido a la prisión, Araújo pasó por dos exámenes médicos realizados por los militares.

Ambos diagnósticos concluyeron que su estado era apto para trabajar. Cuatro días antes de su detención, fue publicada su entrevista a la revista Época, en la que reconoció su condición de homosexual y que mantenía una relación desde hace diez años con el sargento Figueiredo, con el que comparte un apartamento del Ejército en Brasilia.

Freiras idosas se acorrentam a poste em protesto no Vaticano

Posted in NOTICIAS, VIOLENCIA on 8 de Junho de 2008 by os.maias

Irmãs afirmam que foram erroneamente expulsas de seu convento e pedem ajuda ao papa Bento XVI

Phipil Pulella, da Reuters


Componentes.montarControleTexto(“ctrl_texto”)

Freiras dizem que foram erroneamente expulsas de seu convento e pedem ajuda ao papa

Reuters

Freiras dizem que foram erroneamente expulsas de seu convento e pedem ajuda ao papa

CIDADE DO VATICANO – Duas freiras italianas idosas se acorrentaram a um poste de luz diante do Vaticano neste domingo, 8, afirmando terem sido erroneamente expulsas de seu convento e pedindo ajuda ao papa Bento XVI para retornarem à clausura.

As duas, irmã Albina Locantore, de 73 anos, e irmã Teresa Izzi, de 79 anos, passaram várias horas acorrentadas ao lado da Praça de São Pedro, incluindo os 20 minutos durante os quais o papa transmitiu sua mensagem e bênção semanais.

As duas religiosas disseram a jornalistas que deixaram seu convento das irmãs Carmelitas, na região central da Itália, por vários meses por razões de saúde e que, quando retornaram, a madre superiora lhes recusou a entrada no convento.

A madre superiora as acusou de desobediência e as baniu, disseram as freiras.

Uma das religiosas segurava um cartaz que dizia: “Sua santidade, não somos prostitutas, nem violentas, nem ladras, nem doentes mentais.”

Outro cartaz apelava ao pontífice para investigar o caso delas. “Após 50 e 60 anos de serviços prestados à Igreja, elas nos tratam como sacos de lixo, apenas porque supostamente não teríamos obedecido a nossa superiora religiosa”, disse a irmã Albina.

O Vaticano estava tentando organizar um encontro entre as freiras e um funcionário do departamento do Vaticano responsável pelos conventos.

Freiras idosas se acorrentam a poste em protesto no Vaticano

Duas freitas pediram ajuda ao papa Bento XVI para retornarem à clausura.
Elas dizem ter sido erroneamente expulsas de seu convento.

Da Reuters

Duas freiras italianas idosas se acorrentaram a um poste de luz diante do Vaticano no domingo, afirmando terem sido erroneamente expulsas de seu convento e pedindo ajuda ao papa Bento XVI para retornarem à clausura.

Reuters

Reuters
Duas freiras italianas idosas se acorrentaram a um poste de luz diante do Vaticano no domingo, afirmando terem sido erroneamente expulsas de seu convento (Foto: Reuters)

As duas, irmã Albina Locantore, 73 anos, e irmã Teresa Izzi, 79, passaram várias horas acorrentadas ao lado da Praça de São Pedro, incluindo os 20 minutos durante os quais o papa transmitiu sua mensagem e bênção semanais.

As duas religiosas disseram a jornalistas que deixaram seu convento das irmãs Carmelitas, na região central da Itália, por vários meses por razões de saúde e que, quando retornaram, a madre superiora lhes recusou a entrada no convento.

A madre superiora as acusou de desobediência e as baniu, disseram as freiras.

Uma das religiosas segurava um cartaz que dizia: “Sua santidade, não somos prostitutas, nem violentas, nem ladras, nem doentes mentais.”

Outro cartaz apelava ao pontífice para investigar o caso delas.

“Após 50 e 60 anos de serviços prestados à Igreja, elas nos tratam como sacos de lixo, apenas porque supostamente não teríamos obedecido a nossa superiora religiosa”, disse a irmã Albina.

O Vaticano estava tentando organizar um encontro entre as freiras e um funcionário do departamento do Vaticano responsável pelos conventos.

ONU convoca países a debater violência policial no Brasil

Posted in NOTICIAS, VIOLENCIA on 2 de Junho de 2008 by os.maias

Entre 45 mil e 50 mil pessoas são vítimas de homicídios no Brasil por ano; Itamaraty é pressionado a dar resposta

JAMIL CHADE – Agencia Estado


Componentes.montarControleTexto(“ctrl_texto”)

GENEBRA – A violência policial no Brasil será exposta nesta segunda-feira, 2, pela Organização das Nações Unidas (ONU) a diplomatas de todo o mundo. Embaixadores, especialistas e ativistas vão se reunir em Genebra para tratar do tema e a ONU pedirá medidas urgentes do governo brasileiro para impedir o que a entidade chama de “verdadeira crise de segurança pública” no País. O Itamaraty será ainda pressionado a dar uma resposta à situação que, segundo a Anistia Internacional, começa a afetar a credibilidade do País nos fóruns diplomáticos.

O relator da ONU para assassinatos sumários, Phillip Alston, apresentará sua avaliação sobre o Brasil ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas e acusará a polícia de envolvimento com grupos criminosos e formação de esquadrões da morte. Entre as medidas sugeridas por Alston está a reforma do sistema judiciário para poder julgar policiais, além de maiores salários aos policiais para que não caiam em esquemas de corrupção. “É desconcertando ver que poucos homicídios são condenados”, afirmou Alston. Ele ainda sugere uma ampla investigação na atuação das policias, além de monitoramento das prisões e maiores recursos para os ministérios públicos.

Organizações não-governamentais (ONGs), como a Conectas, Gajop e Justiça Global, enviaram à ONU e aos governos uma carta na semana passada alertando que o Brasil até agora não implementou as recomendações da entidade. “As organizações destacam que os casos de execuções sumárias pela polícia se agravaram em 2008”, informou a carta das entidades. A ONU alerta que entre 45 mil e 50 mil pessoas são vítimas de homicídios no Brasil por ano e as táticas da polícia e do governo não estão dando resultados.