Archive for the OPINIÃO Category

La hora de Brasil

Posted in OPINIÃO on 16 de Setembro de 2008 by os.maias

MA BASTENIER 16/09/2008

Es cómodo decir que la reunión de Unasur ha parido un ratón en la cumbre extraordinaria de Santiago sobre el conflicto de Bolivia, porque ha producido sólo un documento plenamente predecible, que pide la instalación de una mesa de diálogo entre las partes, autonomistas de la Media Luna y centralistas indigenados de La Paz, sin aportar otras soluciones visibles; tampoco cuesta sostener que el verdadero convocante ha sido el lord protector de Bolivia, el presidente venezolano, Hugo Chávez, y no el jefe del Estado brasileño, Lula, aunque su diplomacia sea la que ha llevado la voz cantante en la capital chilena. Pero ambas apreciaciones son inexactas.

Es cierto que el grave contencioso entre el altiplano del oeste y las tierras bajas del este, que puede haber causado ya más de 100 muertos, está todo menos solucionado, pero hoy cuentan tanto los símbolos como las anfractuosidades del terreno. Y Lula es ya el gran veedor de la crisis, el que atribuye méritos y apunta regaños, y si el respaldo al orden legal y legítimo del presidente Morales ha sido inequívoco, la recomendación de que se negocie para llegar a un acuerdo significa que también se tiene en cuenta a los rebeldes de Santa Cruz y provincias anejas. Pero, de manera muy significativa, ese magisterio se ejerce sobre una ausencia, no por formalmente obligada menos clamorosa. ¿Tiene algo que decir Estados Unidos?

Luiz Inácio da Silva se ha permitido el lujo de esperar hasta que la reunión de Unasur se concibiera en sus propios términos. El presidente boliviano Evo Morales repetía que la crisis era intra-boliviana y que no hacían falta mediadores externos y Lula no quería mover un dedo si no era a instancia de parte. Y cuando la convocatoria se produce, aunque la cobertura de la reunión internacional baste para salvar la cara a La Paz, nadie duda de que es para que Brasil, superpotencia emergente de América Latina y principal cliente del gas boliviano, ordene el procedimiento. A Lula le han llamado; no ha tenido que pedir turno de palabra.

El enfrentamiento entre partidarios civiles de ambos bandos, en los que tiene una especial responsabilidad el autonomismo que inició los bloqueos de carreteras para desabastecer La Paz, tenía una lógica propia que podía crear, como ha ocurrido, la ventana de oportunidad para el movimiento táctico de Brasilia. La rebelión provincial y el poder constituido parecían estar encareciendo la apuesta a la espera de que el otro pestañeara primero, y, por terrible que haya sido la pérdida de vidas humanas es lo que conduce al diálogo, preliminarmente ya iniciado entre Mario Cossio, gobernador de la provincia de Tarija y el vicepresidente ?criollo, pero con el indigenismo de los conversos? Álvaro García Linera.

Nadie dice que esa negociación vaya a ser fácil. Pero, por primera vez, las cartas están nítidamente alineadas sobre la mesa. Y lo que hay que discutir es el encaje y el reparto. El encaje se plantea entre una constitución indigenista de la que Morales aguarda una deshispanización a fondo, pero que no provoca emulsiones de entusiasmo ni en sus teóricos aliados, y la profunda autonomía reclamada por las cinco provincias orientales, Beni, Pando, Tarija, Chuquisaca y Santa Cruz, en las que el elemento indígena es tan mayoritario como en el altiplano, aunque de raíz cultural y antropológica muy diferentes. Morales, que califica, asimismo, su proyecto de autonómico ante el violento escepticismo de los regionalistas, tiene ahora la oportunidad de demostrar que no habla en vano. Y el reparto afecta a la distribución de las rentas de los hidrocarburos, que el autonomismo quiere virtualmente todo para sí y el poder central aspira a gerenciar. Si hay o cuando haya pre-acuerdo sobre límites y objetivos el presidente Morales y los líderes, sobre todo de Santa Cruz, el gobernador Rubén Costas y el líder social de la rebelión el industrial aceitero Branko Marinkovich, deberán hacerse presentes en las negociaciones. Pero cualquiera que sea el vocerío con que se despachen unos y otros, la Media Luna carece de medios para derrocar a Morales, pese a la insistencia con que La Paz y Caracas lo han estado proclamando estos días, ni mucho menos quiere una independencia contra la que sabe que milita el mundo entero.

Aplicando los términos de aquel sabio del fútbol ?lógicamente, argentino? César Luis Menotti, Brasil, dueño del centro del campo, construye, pero no puede definir por sí solo. ¿Qué querían sus críticos? ¿Que enviara la división aerotransportada?

La neurótica invasión rusa

Posted in OPINIÃO, RUSSIA on 1 de Setembro de 2008 by os.maias

DOMINIQUE MOISI 01/09/2008

En el mismo momento en el que China obtenía una medalla de oro en diplomacia por el éxito de la ceremonia inaugural en Pekín, Rusia se aseguraba una tarjeta roja por la extrema y desproporcionada violencia de su intervención militar en Georgia.

Moscú no necesitaba esa exhibición de fuerza y brutalidad para defender sus argumentos

Mientras China pretende seducir e impresionar al mundo con el número de medallas olímpicas conseguidas, Rusia quiere impresionarle con la demostración de su superioridad militar. El poder blando de China frente al poder duro de Rusia: las preferencias de los dos países reflejan el grado tan distinto que tienen de confianza en sí mismos.

China puede jugar a ser víctima ante Occidente, pero sus líderes saben que su país ha vuelto a ocupar en el escenario mundial un puesto que consideran apropiado y legítimo. Por supuesto, dentro de sus fronteras, los dirigentes chinos no se sienten nada seguros y se comportan con sus ciudadanos con arreglo a ello. No obstante, mientras China da minúsculos pasos hacia adelante, Rusia está dando pasos de gigante hacia atrás.

Georgia y Rusia llevan muchos años jugando con fuego y la guerra parecía inevitable. Cada lado estaba esperando a que el otro diera un paso en falso para mostrar sus cartas.

Es más que probable que el joven e impulsivo presidente de Georgia, Mijaíl Saakashvili, haya caído en la trampa que él mismo había ayudado a tender. Quería mostrar a sus socios occidentales que Georgia necesitaba la protección de la OTAN frente a Rusia y que, por tanto, el ingreso en la organización era urgente.

Independientemente de que en Estados Unidos algunos animaran a Saakashvili, él no se esperaba -aunque debería- la reacción “hiperexplosiva” de Rusia. Porque está más claro que nunca que Vladímir Putin es quien sigue mandando. Y la oportunidad que le ofrecía Mijaíl Saakashvili de indicar al mundo que Rusia no va a seguir soportando humillaciones era demasiado tentadora.

El Kremlin, muy consciente del ascenso de Rusia como superpotencia energética cada vez más importante, del debilitamiento relativo de la influencia y la determinación de Estados Unidos, de las profundas divisiones en Europa entre pro-rusos -como Alemania y, sobre todo, Italia- y anti-rusos (principalmente los miembros más recientes de la Unión Europea en el este de Europa), y de la parálisis de Naciones Unidas por el poder de veto de Rusia, ha querido enviar un mensaje firme al mundo: “La hora de las concesiones ya ha pasado”.

Para el Kremlin, probablemente, Osetia del Sur y Abjazia sólo permanecerán bajo la soberanía formal de Georgia si el país no se incorpora a la Alianza Atlántica.

Pero Rusia, como Saakashvili, está jugando con fuego: su estrategia de alentar a las fuerzas separatistas en las dos provincias georgianas puede encender las tendencias separatistas en otras partes de la Federación Rusa (¿se acuerdan de Chechenia?). Además, Rusia está aislándose de forma innecesaria del resto del mundo.

Sobre todo, esta crisis confirma la nueva jerarquía de poderes que existe hoy en el mundo. En este mundo nuevo, China y Rusia han vuelto y Estados Unidos, aunque sigue en la cima, está en declive. En cuanto a Europa, aunque la Unión Europea hace de mediadora, cuando actúa deja patentes los límites de su influencia.

La UE sólo es verdaderamente “convincente” cuando puede utilizar el poder seductor del carnet de miembro. Pero a Rusia no le interesa entrar en el club, al menos no con las condiciones europeas. Los rusos saben muy bien que los estadounidenses desean su ayuda en Oriente Próximo; en otros temas, escuchan a Europa y Estados Unidos con una actitud que oscila entre la indiferencia y la brutalidad.

Rusia también ha dañado innecesariamente su imagen internacional. El Kremlin no necesitaba esa exhibición de fuerza y brutalidad sin límites para defender sus argumentos. Ahora, China, en comparación, parece un socio respetable.

En cuanto a Occidente, se enfrenta a un dilema. ¿Puede recompensar a los georgianos por la irresponsabilidad de sus dirigentes y acelerar la entrada de su país en la OTAN? Por otra parte, ¿puede permitirse el lujo de conceder a Rusia el derecho de facto a controlar, directa o indirectamente, países como Georgia hoy y como Ucrania mañana?

La crisis actual en el Cáucaso no significa el regreso de la guerra fría, ni va a suponer seguramente el inicio de una guerra abierta entre Rusia y Occidente; es algo más sencillo, la vuelta del imperialismo tradicional practicado por el imperio ruso hace más de un siglo.

China es, con la excepción de Tíbet, un imperio confiado y satisfecho con el statu quo. Rusia, por el contrario, es una potencia imperialista revisionista, cuya falta de seguridad en sí misma está empezando a asustar de nuevo al mundo.

Dominique Moisi, fundador y consejero en el Instituto Francés de Relaciones Internacionales (IFRI), es catedrático en el Colegio de Europa de Natolin, Varsovia. © Project Syndicate, 2008. Traducción de María Luisa Rodríguez Tapia.

Medo no Morumbi

Posted in CRIME, OPINIÃO on 26 de Agosto de 2008 by os.maias

Segunda-Feira, 25 de Agosto de 2008


Componentes.montarControleTexto(“ctrl_texto”)

São consistentes os dados que a Secretaria da Segurança Pública divulga de tempos em tempos sobre a criminalidade no Estado de São Paulo, os quais mostram um avanço contínuo na luta contra o crime. Mas persistem zonas onde os índices de violência continuam muito altos e, pior, bairros nobres e até há pouco considerados mais seguros do que outros registram incidência tão alta de assaltos que seus moradores já começam a se considerar reféns do medo. É assim que se sentem famílias de algumas áreas do bairro do Morumbi, em São Paulo, como mostrou a reportagem de Marici Capitelli publicada quinta-feira pelo Estado.

Por causa da freqüência com que ocorrem assaltos e tiroteios nas ruas, os moradores de duas áreas bem demarcadas do bairro do Morumbi sentem-se como se estivessem submetidos a um toque de recolher informal. Tiveram de mudar seus hábitos. Não saem à noite sozinhos como costumavam fazer, evitam chegar tarde em casa e, quando saem, procuram fazê-lo em grupos.

Sabem que vizinhos foram baleados e que, em média, uma casa é assaltada a cada dois dias. Só em maio, teriam ocorrido 22 assaltos a residências. A do ministro do Desenvolvimento, Miguel Jorge, é uma das que já foram roubadas (o ministro e a família estavam ausentes). Em uma única rua teriam ocorrido quatro roubos de residências e uma tentativa de assalto. Próximo dessa rua, um morador foi morto e outro escapou de um tiro, cujas marcas permanecem numa parede. No Real Parque, onde predominam grandes edifícios, moradores são rendidos pelos bandidos quando chegam ou saem da garagem. Em geral, os assaltantes, em dupla, utilizam motos.

Além das precauções que cada família vem tomando, surgem iniciativas de associações comunitárias, como o Conseg Ação Local Real Parque, que distribuiu cartas aos moradores da área descrevendo as últimas ocorrências. Em um condomínio, os moradores estão discutindo a contratação de segurança armada.

Nem todas as vítimas registram queixa na Polícia. Mas a Secretaria da Segurança Pública já realizou reuniões com os moradores e, como resultado, uma viatura da Polícia Militar está na área há alguns dias. É uma providência temporária.

Informações obtidas pela Polícia indicam que houve uma mudança no comando do crime organizado que atua nas quatro favelas da região. O comando anterior preferia manter uma convivência pacífica com os moradores do bairro. O novo, porém, pode ter determinado aos membros das organizações criminosas que passassem a assaltar as residências e seus moradores, para fortalecer o tráfico de drogas.

Trata-se de um caso isolado no quadro da evolução da criminalidade no Estado e na cidade de São Paulo. O uso de sistema informatizado de informações sobre a criminalidade, que permite mapear o crime e distribuir melhor o efetivo policial, o policiamento comunitário, a reação da população local, que se organiza em associações para melhorar as condições de segurança, os investimentos nos sistemas de inteligência, além da crescente apreensão de armas, estão entre os fatores que explicam a redução da violência em São Paulo.

A melhora, como mostram as estatísticas, não é temporária. É uma tendência que se observa há vários anos, e que é mais acentuada no caso dos crimes violentos. O número de homicídios no Estado, por exemplo, caiu 16,8% no segundo trimestre deste ano na comparação com igual período de 2007.

Mas o aumento dos assaltos no Morumbi é um caso grave, que exige providências mais eficazes do que o reforço temporário do policiamento. O fato de os criminosos concentrarem geograficamente suas ações torna urgente a ação das autoridades policiais. Os métodos de ação dos assaltantes e sua área de atuação são já bem conhecidos da Polícia. Assim, é possível atacá-los com maior eficácia e num prazo curto.

Mas, se a Polícia não agir com presteza e eficácia, a situação excepcional do Morumbi poderá se alastrar para outros bairros, ameaçando reverter os bons resultados obtidos até agora pela Polícia de São Paulo no combate ao crime.

Algemas para quem precisa

Posted in CRIME, OPINIÃO on 17 de Agosto de 2008 by os.maias


E Fernandinho Beira-Mar também reivindica ser dispensado do uso de algemas como Salvatore Cacciola. Está certo.

Se um bandido tem direito de pedir (e ser atendido), o outro também tem.

Com todo o respeito.

por Ancelmo Gois

Análise: Referendo não resolve polarização na Bolívia

Posted in OPINIÃO, POLITICA on 10 de Agosto de 2008 by os.maias


Evo Morales (arquivo)
Pesquisas de opinião indicam que Morales deve manter o cargo

Os bolivianos vão às urnas no domingo em um referendo para decidir se aprovam a continuidade no poder do presidente esquerdista Evo Morales, de seu vice, e de oito governadores eleitos – alguns dos quais são os maiores inimigos de Morales.

Mas o referendo revocatório já está cercado de confusão sobre qual é a porcentagem de votos que os governadores precisam para se manter no cargo, o que pode deixar os resultados abertos a contestação. Há ainda muitas dúvidas sobre se o referendo vai ajudar a reduzir a aguda polarização social e geográfica na Bolívia e tornar o país mais governável.

Em maio passado, o presidente Morales concordou em convocar o referendo em parte porque acreditava que poderia usá-lo para retomar a iniciativa política de seus oponentes nos departamentos (equivalentes a Estados) do leste do país, que são ricos em gás.

Nos últimos três meses, a oposição vem comandando a agenda política. Nos chamados departamentos “meia-lua” de Santa Cruz, Beni, Trinidad e Tarija, maiorias significativas votaram por maior autonomia do governo central em várias áreas.

O governo rejeitou os referendos regionais como ilegais e culpou os governadores de direita por tentarem dividir o país.

Dúvidas

As regras para a votação de domingo são complexas e ainda cercadas de dúvidas:

* O presidente Morales e o vice, Álvaro García Linera, terão que deixar seus cargos se mais de 53,7% dos eleitores manifestarem desejo de afastá-los – esta foi a porcentagem dos votos que os políticos receberam nas eleições de 2005.

* Depois de um acordo no dia 31 de julho entre o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) e a maioria dos tribunais dos departamentos, os governadores regionais perderão seus cargos se mais de 50% dos eleitores decidirem por sua remoção.

* Antes do acordo de julho, os governadores tinham que garantir o mesmo número de votos obtidos nas eleições de 2005, mais um, para não perder seus cargos. O novo acordo na verdade baixou a porcentagem necessária para a manutenção dos políticos em seus cargos e aumenta a probabilidade de que vários deles sobrevivam.

* Apesar do acordo de 31 de julho, os resultados ainda podem ser questionados. Morales disse que ele não tem certeza se o CNE pode emendar as regras; o governador regional de Cochabamba, Manfredo Reyes, recusou-se a aceitar a base constitucional para o referendo; e dois dos nove tribunais departamentais do país (Santa Cruz e Oruro) não ratificaram o acordo.

Constituição

Na base do conflito está o desejo do presidente Morales de conseguir aprovar uma nova Constituição. Isto daria uma maior parcela dos recursos obtidos como gás boliviano para os departamentos mais pobres (no oeste do país), alocaria mais terras para a maioria indígena e permitiria que Morales buscasse a reeleição. Os departamentos no leste do país, liderados por Santa Cruz, mantêm forte oposição.

Um quadro muito possível é que tanto o presidente Morales quanto a maioria dos governadores que se opõem a ele serão confirmados em seus cargos. Morales e seu partido, o Movimento para o Socialismo, ainda são populares junto à maioria pobre.

O governo vem usando cada vez mais a receita obtida com o gás para aumentar os gastos públicos com aposentadorias mais altas, salário mínimo maior, e um esquema de transferência de recursos que concede merenda escolar gratuita e um pagamento em dinheiro a mães de crianças que freqüentem as escolas.

Mas é provável que a maioria dos governadores, como Ruben Costas, de Santa Cruz, também sejam confirmados no cargo. Pesquisas de opinião mostram que o governo é popular nas províncias do oeste, mas os governadores têm apoio nos departamentos do leste.

Muitos observadores na Bolívia têm sérias dúvidas de que a convocação do referendo no domingo oferecerá uma saída para a polarização política. Se Morales obtiver um número significativamente maior de votos do que os que teve em 2005, ele vai se sentir encorajado a realizar um outro referendo: desta vez sobre a Constituição.

Mas os líderes da oposição vão alegar que eles também têm um mandato para continuar sua contestação se forem confirmados em seus postos e podem se tornar ainda mais intransigentes.

Consenso

Há alguma saída para o impasse? Dois recentes relatórios de institutos de análise internacionais sugerem que os dois lados devem se mostrar dispostos a concessões para que haja um avanço.

O International Crisis Group argumentou em um documento divulgado em junho que é “essencial se afastar de ‘referendos de duelo’ que têm o objetivo de subjulgar o outro lado”.

Ao invés disso, considera necessário um consenso básico sobre vários temas, como o equilíbrio entre autonomia departamental e autonomia indígena na nova Constituição, a distribuição da renda proveniente do gás, e o status da cidade de Sucre como capital constitucional (mas não sede do governo).

Um documento divulgado em julho pela organização Inter-American Dialogue, sediada em Washington, chegou a conclusões semelhantes sobre a necessidade de um consenso. Ele sugere que o primeiro passo deveria ser um acordo para a indicação de elementos imparciais para o Tribunal Constitucional e a Corte Nacional Eleitoral.

O instituto advertiu que nenhum dos lados pode impôr com sucesso sua visão política sobre o outro, e argumentou que a necessidade de uma mentalidade de “concordar em discordar” é mais urgente do que nunca.

Ameaça ao Pacaembu

Posted in OPINIÃO on 1 de Julho de 2008 by os.maias

Resolução assinada pelo secretário de Estado da Cultura, João Sayad, altera o tombamento histórico do Pacaembu, na zona oeste da cidade. A iniciativa poderá fazer do bairro um novo Morumbi, onde terrenos em que antes havia uma única casa foram ocupados por condomínios horizontais, alterando a densidade populacional do bairro e complicando seriamente o trânsito.

Pela nova resolução, os lotes do Pacaembu que tenham mais de 900 metros quadrados poderão ser ”desdobrados, desmembrados e remembrados”. O Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat), órgão da Secretaria de Estado da Cultura que determinou o tombamento do Pacaembu há 17 anos, se responsabilizará por autorizar essas mudanças, que poderão alterar a estrutura fundiária do bairro, colocando em risco a beleza do traçado urbanístico original desenvolvido pela Companhia City nas primeiras décadas do século passado. O tombamento do bairro abrange o atual traçado urbano, a vegetação arbórea, o padrão de ocupação dos lotes e o belvedere público localizado na Rua Inocêncio Unhate.

A Associação Viva Pacaembu entrará com ação civil pública contra o secretário João Sayad, e o Ministério Público Estadual vai instaurar inquérito para apurar os motivos que determinaram a edição da nova resolução. João Sayad será convocado para prestar esclarecimentos. Para o promotor de Justiça do Meio Ambiente José Ismael Lutti, um secretário não pode simplesmente assinar um documento e revogar a decisão de um conselho de patrimônio que fez demorados e aprofundados estudos e análises para justificar o tombamento e a necessidade de preservação da área.

O secretário-adjunto de Cultura, Ronaldo Bianchi, explicou em entrevista ao Estado que a resolução serve apenas para ”ajudar famílias que lá moram ou vão morar, mas sem nenhum sentido desfigurativo do Pacaembu”. Segundo ele, os contrários à iniciativa desprezam a capacidade de discernimento e a competência do Condephaat na análise dos futuros desmembramentos ou remembramentos de lotes.

Mas os apreensivos moradores do bairro e os urbanistas têm motivos de sobra para desconfiar dos critérios que serão utilizados na aplicação prática da nova resolução. Nos últimos anos, por várias vezes tiveram de se mobilizar para repelir investidas contra o bairro realizadas pelo setor imobiliário, por uma instituição privada de ensino que quer se expandir e até pela Prefeitura que, em setembro de 2006, anunciou a intenção de mudar o zoneamento de uma área de 46 mil metros quadrados para beneficiar uma entidade privada ligada à Faculdade de Medicina da USP, interessada na instalação, ali, de um centro de cursos de especialização e de um museu.

A Secretaria da Cultura erra ao priorizar o interesse de alguns setores claramente dispostos a explorar o grande filão imobiliário representado pelo Pacaembu. Bem faz, portanto, o Ministério Público ao defender o interesse de grande parcela da população nem um pouco disposta a assistir à degradação de um dos poucos bairros ainda razoavelmente preservados da cidade.

Além da proteção assegurada pelo processo de tombamento, aprovado em 1991, a preservação do Pacaembu encontra apoio no Estatuto da Cidade, lei federal que regula o uso da propriedade urbana em prol do bem coletivo, da segurança e do bem-estar dos cidadão, bem como do equilíbrio ambiental.

Se permitir no Pacaembu a construção de condomínios horizontais e de vilas ”de alto padrão”, certamente o bairro sofrerá um adensamento populacional, com graves repercussões sobre a infra-estrutura urbana, os serviços públicos e o trânsito. O arquiteto Paulo Bastos, ex-presidente do Condephaat, acredita que a resolução possa decretar ”o começo do fim do bairro”. E as pressões para que isso ocorra são grandes.

É evidente que a cidade evolui e precisa se adaptar aos novos tempos. Mas não à custa de seu patrimônio histórico e urbanístico. O tombamento do Pacaembu precisa ser restabelecido na íntegra.

O lado sombrio da internet

Posted in OPINIÃO on 24 de Junho de 2008 by os.maias

Diogo Mainardi

“O anti-semitismo tem um novo meio de
se difundir: a internet. Depois de Auschwitz,
comentários como os recebidos por Caio Blinder
tinham de restringir-se aos círculos clandestinos.
Agora o anti-semitismo perdeu o pudor”

Caio Blinder recebe um monte de comentários anti-semitas por seus artigos na internet. Em vez de eliminá-los, ele os publica. Além disso, seleciona os mais selvagens e remete-os para mim:

Caio Blinder é um jornalista e apresentador de TV brasileiro de origem judaica (texto retirado da Wikipédia). Só podia, rssss, mais um judeu FDP que teve a sorte de nascer depois do Holocausto, kkkkkkk.

A mensagem é assinada por TimGP. A caricatura nazista do Der Stürmer, do judeu peludo, de orelhas grandes e nariz adunco, agora se transformou num “kkkkkkk”. TimGP lamenta que Caio Blinder tenha escapado do Holocausto. Outro leitor, Antonio Aparecido, nega o próprio Holocausto:

Mais de 1 milhão de judeus mortos??… Contem outra estorinha, ou melhor, outra historinha. Não à manipulação da mídia. Sim à história verdadeira, sim aos historiadores antropologistas.

A quem ele se refere? Himmler? Ahmadinejad? Le Pen? Alguns dos maiores historiadores judeus, como Bernard Lewis, argumentam que, nas últimas décadas, surgiu uma nova forma de anti-semitismo. Se os comentários sobre os artigos de Caio Blinder podem ser tomados como amostra, eu diria que o anti-semitismo continua igualzinho ao de 100 anos atrás, usando inclusive as mesmas fraudes dos tempos dos “pogroms”:

O que estão fazendo na Palestina é o verdadeiro Holocausto. Quem não conhece que leia a verdadeira história dos sábios do Sião, que foi retirada por divulgar as reais estratégias dos judeus desde 1900 e de como dominariam o mundo.

Apesar de o anti-semitismo continuar igual, ele tem um novo meio de se difundir: a internet. Depois de Ausch-witz, comentários como os recebidos por Caio Blinder tinham de restringir-se aos círculos clandestinos. Agora o anti-semitismo perdeu o pudor. A internet é uma espécie de Cazaquistão de Borat. Qualquer um pode pegar um porrete e malhar o judeu. De vez em quando, até a apresentadora de TV gói, por engano, é mandada para o gueto:

Está na história do povo judeu usar os meios de comunicação em massa para se passar por vítimas e conseguir o que desejam. Vejam o senhor Abravanel e a Xuxa.

No Brasil, o anti-semitismo de esquerda, que se confunde com o anti-sionismo, é muito mais forte do que o de direita. Quando Caio Blinder festejou os sessenta anos de Israel, ao mesmo tempo em que defendeu a idéia de um estado palestino nos Territórios Ocupados, seus comentaristas mandaram-lhe mensagens furiosas, legitimando os atentados terroristas da Al Qaeda e do Hezbollah. O tom foi de “fascista e covarde” até “blitz em você, semita de boca fedida”.

A internet tem esse lado sombrio: ela permite que idéias criminosas sejam propagadas abertamente. Anti-semitas e negadores do Holocausto foram condenados em tribunais dos Estados Unidos e da Europa. Se o Ministério Público brasileiro perseguisse judicialmente um ou dois comentaristas dos artigos de Caio Blinder, a internet só teria a ganhar. Cada um tem de ser responsabilizado pelo que diz e faz. Sem isso, o totalitarismo sempre vence, e podemos acabar num gueto com Silvio Santos e Xuxa.