Archive for the ECONOMIA Category

Preparing to spend a “millionaire ticket” from offshore

Posted in ECONOMIA, Luiz Inácio Lula da Silva, NOTICIAS, POLITICA on 3 de Setembro de 2009 by os.maias

Adicionar imagem

function toggle(embed){ if(document.getElementById(embed).style.display == ‘none’){ document.getElementById(embed).style.display = ‘block’; }else{ document.getElementById(embed).style.display = ‘none’; } }

Brazil’s oil policy

Sep 3rd 2009 | SÃO PAULO
From The Economist print edition

The government has unveiled plans to give the state the lion’s share of the money from vast new oil discoveries. Will this wealth be invested or squandered?

Illustration by S. Kambayashi

BY TRADITION Brazil invests little and saves less. Brazilians like to borrow and spend, and ao inferno with the future. This may be a legacy of stubbornly high inflation for most of the second half of the 20th century. It may also be an inheritance from further back. Eduardo Giannetti, an economist and philosopher, thinks that the Brazilian ethnic mixture of indigenous nomads, Portuguese settlers seeking a quick fortune and Africans brought to the country in chains bequeathed an entrenched habit of spending now and saving some other time. Whatever the cause, the discovery in 2007 of potentially vast new offshore oil deposits deep beneath the Atlantic seabed will be a crucial test of Brazil’s moral fibre: depending on how it is used, this new wealth could help the country overcome poverty and underdevelopment, or exaggerate its spendthrift ways.

After almost two years in which his government has pondered the question, on August 31st President Luiz Inácio Lula da Silva unveiled four new bills setting out how the windfall should be gathered and spent. His rhetoric on what he called “independence day” was triumphalist. The oil deposits were “a gift from God,”“a millionaire ticket” and “a passport to the future.” But he also pointed to the problems that oil has caused some economies, and explained how Brazil plans to avoid them. The bills, which have to be approved by Congress, will not affect existing exploration and development contracts held by Petrobras, the state-controlled oil company, and five foreign oil companies. These contracts govern parts of the Tupi field, which contains between 5 billion and 8 billion barrels of oil. But plenty of oil and gas would fall under the new laws. Officials believe that in all, there may be up to 50 billion barrels of oil and gas offshore—enough to turn Brazil into an oil giant.

One bill declares the oil in the new fields—dubbed pré-sal because they lie beneath a shifting layer of salt—the property of the state, rather than of the companies that buy concessions. In each block, half of any oil produced would go to the state. The remaining half would be subject to a production-sharing agreement between Petrobras and any companies that partnered it, in proportion to their costs. Another bill creates a new state oil company called Petrosal to represent the state’s interests in each block. In theory this will be a small entity, staffed by technicians. In practice it may swell, particularly if it is controlled by politicians, as they may stuff it with supporters. The state will also inject the monetary equivalent of 5 billion barrels of oil into Petrobras, with the aim of ensuring it has the financial muscle to remain the dominant operator. Since 60% of Petrobras’s shares are traded on the market, this capital boost will dilute existing shareholders. The company’s share price fell sharply on the day of the announcement, wiping $7 billion from its market value. In addition, the government plans to set up a social fund to spend Petrosal’s billions.

Officials have argued that the discovery of so much oil in the Tupi field has eliminated geological risk. That, they say, merits guaranteeing the state a fatter slice of the revenues. But this could have been done by tweaking the existing arrangements, for example to impose a higher royalty. The pré-sal fields are technologically complex and expensive to develop. Two recent wells, one drilled by Britain’s BG Group and the other by America’s Exxon Mobil, proved dry. Some industry experts question the decision to scrap the current rules in which concessions are overseen by the National Petroleum Agency (ANP). “You have a system that has worked well for ten years and is transparent, in a country that often has problems with corruption in public works projects,” says Marilda Rosado, a former director of both the ANP and Petrobras and currently a partner in a Rio law firm, “and you decide to scrap it?”

The reason for doing so, according to Mauricio Tolmasquim, head of the state-run Energy Research Company (EPE), is to give the government more control over the oil business. EPE looked at the regulatory regimes in the 20 countries with the biggest oil reserves. Only three—the United States, Canada and Brazil—operate a pure concession system with minimal state involvement, it found. The new set-up, says Mr Tolmasquim, would allow the government to take things such as the exchange rate into account when it takes decisions on exploration.

Even if Congress heeds Lula’s plea to act speedily, it cannot approve the bills until December. In practice, they may become bogged down by wrangling. One of the new measures reduces the share of oil revenues that go to the states and municipalities closest to the fields, aiming to spread the wealth more widely. That is reasonable but will face political resistance. José Serra, the governor of São Paulo and the man opinion polls tip to succeed Lula in a presidential election next year, has urged Congress not to rush. The government spent 22 months coming up with its proposals, so congress and society should also be given time to debate them, he says. It would certainly suit his campaign if they did. Conversely, the electoral chances of Dilma Rousseff, Lula’s chosen candidate, might be boosted by speedy approval.

There are still many details to be sorted out. The proposed social fund was originally conceived as being earmarked for education and infrastructure spending. It was supposed to be inspired by Norway’s oil fund, most of which is saved. Now its mandate has spread to the environment, culture and even the financing of new industries. The worry is that the money will be spent today rather than saved or invested, further bloating a state whose revenue is already equivalent to 36% of GDP, compared to 20% in Mexico.

Of course, these are nice problems to have. And Brazil is better placed to deal with them than many other countries. Still, as Lula pointed out, what looks like a winning lottery ticket can all too easily become a curse. Anyone who has been following the recent corruption scandals in Brazil’s Congress will know that such a disaster is well within the powers of the country’s lawmakers.

Gripe A H1N1

Fale com o Ministério

disque saúde 0800 61 1997
Ministério da Saúde – Esplanada dos Ministérios – Bloco G – Brasilia / DF
CEP: 70058-900

Brazil Stocks Rise on Commodities, Rate Outlook; Mexico Gains

Posted in ECONOMIA, Luiz Inácio Lula da Silva, NOTICIAS, POLITICA on 3 de Setembro de 2009 by os.maias



By James Attwood

Sept. 3 (Bloomberg) — Brazilian stocks rose for the first time in six days after the central bank signaled it will keep interest rates at a record low for the rest of this year and a rally in China equities fuelled gains for commodity producers.

Vale SA rose the most in a week after saying it’s restarting idled mines on demand from Japanese and European steelmakers. Petroleo Brasileiro SA climbed along with oil on speculation China will lead a rebound in fuel consumption. Rossi Residencial SA and Lojas Renner SA led gains for homebuilders and retailers on the prospect that lower borrowing costs will boost consumer demand as the economy recovers.

“All the leading indicators are still positive,” said Roberto Lampl, fund manager for ING Investment Management in The Hague, which oversees about $12 billion in emerging-market assets. “Those who missed the rally are starting to add on weakness. The trend that we’ve seen from the beginning of the year hasn’t broken.”

Brazil’s Bovespa index added 0.7 percent to 55,743.64 at 9:42 a.m. New York time, after tumbling 4.1 percent in the previous five days. Global stocks and commodity prices rallied after equities in China, the world’s largest industrial-metals consumer, advanced the most in six months. Mexico’s Bolsa gained 1.1 percent. The MSCI Emerging Markets Index added 1.4 percent.

Brazilian policy makers voted unanimously to keep the benchmark rate at 8.75 percent, matching the forecast of 49 of 50 analysts surveyed by Bloomberg. The current rate is “consistent” with a “benign” inflationary outlook and economic recovery, the board, led by President Henrique Meirelles, said a statement.

Retailers Gain

Rossi, which plunged 5.4 percent yesterday after announcing plans to sell shares, gained 1.1 percent to 10.98 reais. Renner rose 1 percent to 29.25 reais.

Cia. Brasileira de Distribuicao Grupo Pao de Acucar, Brazil’s largest retailer, rose 0.8 percent to 46.31 reais after saying it may save as much as 75 million reais ($40 million) in 2009 because of a change in the terms of its financial agreement with Itau Unibanco Holding SA.

Vale, the world’s largest iron ore exporter, added 1.5 percent to 32.67 reais. Demand outside of China is reviving, with Japanese mills making a “very fast” recovery, Jose Carlos Martins, executive director ferrous at the Brazilian company, said today. Chinese demand is “good,” he said.

“We’ve spoken to many firms and they’ve indicated that the worst is behind them. They’re starting to invest, they’re positive on growth expectations in various countries,” Lampl said.

Petrobras, Brazil’s state-controlled oil company, advanced 1.1 percent to 32.5 reais as oil rose to $69 a barrel in New York.

Most of the six industrial metals traded on the LME advanced, with lead posting the biggest gain as it climbed to the highest since July. Prices rose as a report showed that claims for jobless benefits in the U.S. fell last week.

The Bovespa has jumped 48 percent in 2009 on speculation a rebound in commodity prices and record-low rates will bolster growth in Latin America’s largest economy.

To contact the reporter on this story: Alexander Ragir in Rio de Janeiro at aragir@bloomberg.net

Last Updated: September 3, 2009 09:55 EDT

Gripe A H1N1

Fale com o Ministério

disque saúde 0800 61 1997
Ministério da Saúde – Esplanada dos Ministérios – Bloco G – Brasilia / DF
CEP: 70058-900

BP descobre poço gigante no Golfo do México em que Petrobras tem 20%

Posted in ECONOMIA, Luiz Inácio Lula da Silva, NOTICIAS, POLITICA on 3 de Setembro de 2009 by os.maias
02/09/2009 – 10:17
Agência Estado

google_protectAndRun(“ads_core.google_render_ad”, google_handleError, google_render_ad);

Por Danielle Chaves

Londres – A British Petroleum (BP) anunciou que fez uma descoberta gigante de petróleo em um poço profundo no Golfo do México, área onde a companhia britânica já é o maior produtor individual após uma série de grandes descobertas. O poço é operado pela BP, que tem 62% de participação, em conjunto com a Petrobras, com 20%, e a ConocoPhillips, com 18%.

“Uma avaliação será necessária para determinar o tamanho e a comercialidade da descoberta”, afirmou a BP em comunicado. Segundo a companhia, a descoberta anunciada hoje é maior do que a feita na mesma área geológica em 2006, chamada Kaskida, que contém cerca de 3 bilhões de barris equivalentes de petróleo. No entanto, nem todo esse óleo será recuperável.

O petróleo descoberto em Tiber é leve, o que dá a ele potencial para uma maior taxa de recuperação, disse um porta-voz da companhia. O analista do ING Jason Kenney observou que cerca de 25% do petróleo tem mostrado ser recuperável em outros campos no Golfo do México.

O poço Tiber, que fica a 250 milhas (402 km) de Houston, no Texas (Estados Unidos), foi perfurado até uma profundidade total de 10.685 metros, “o que o torna um dos poços mais profundos já perfurados pela indústria de petróleo e gás”, disse a companhia britânica.

A produção líquida da BP no Golfo do México é de cerca de 400 mil barris por dia, mas poderá subir para 650 mil barris por dia nos próximos 15 anos se Kaskida e Tiber forem desenvolvidos. A BP está avaliando outras estruturas na área próxima às descobertas e está animada com as perspectivas, acrescentou o porta-voz da empresa. As informações são da Dow Jones.

Gripe A H1N1

Fale com o Ministério

disque saúde 0800 61 1997
Ministério da Saúde – Esplanada dos Ministérios – Bloco G – Brasilia / DF
CEP: 70058-900

BP anuncia descoberta gigante de petróleo no Golfo do México

Posted in ECONOMIA, NOTICIAS on 3 de Setembro de 2009 by os.maias


Plantão | Publicada em 02/09/2009 às 10h27m

Reuters/Brasil Online

    if (qtdrec != ”) { //var mediarec = (parseInt(notasrec)/parseInt(qtdrec)) media_estrelas_recomendar(qtdrec, notasrec); } else { media_estrelas_recomendar(1,0); }

Por Tom Bergin

LONDRES (Reuters) – A BP afirmou nesta quarta-feira ter feito uma descoberta “gigante” de petróleo no Golfo do México.

A BP, maior produtora de petróleo nos Estados Unidos e maior concessionária no Golfo do México, tem 62 por cento no bloco, enquanto a brasileira Petrobras detém 20 por cento e a norte-americana ConocoPhillips conta com 18 por cento.

A companhia com sede em Londres afirmou em comunicado nesta quarta-feira que realizou a descoberta de petróleo no prospecto de Tiber, em águas profundas do Golfo do México.

O poço foi perfurado no bloco 102 em Keathley Canyon.

Mais avaliações serão necessárias para averiguar os volumes petróleo, segundo a BP, mas um porta-voz afirmou que o achado pode ser maior do que o de Kaskida, com reservas de mais de 3 bilhões de barris de petróleo.

“Essas descobertas junto com nossa posição de líder da indústria em superfície dão suporte ao contínuo crescimento do nosso negócio em águas profundas no Golfo do México para a segunda metade da próxima década”, afirmou Andy Inglis, chefe de exploração e produção da BP.

O Golfo do México tem se tornado cada vez mais importante já que países ricos em petróleo como Arábia Saudita, Venezuela e Rússia reservam seus campos mais ricos para serem desenvolvidos por suas estatais.

Gripe A H1N1

Fale com o Ministério

disque saúde 0800 61 1997
Ministério da Saúde – Esplanada dos Ministérios – Bloco G – Brasilia / DF
CEP: 70058-900

Pré-sal: mais 4 partidos prometem obstruir votações contra urgência

Posted in ECONOMIA, Luiz Inácio Lula da Silva, NOTICIAS, POLITICA on 2 de Setembro de 2009 by os.maias

Plantão | Publicada em 02/09/2009 às 14h17m

Valor Online

    if (qtdrec != ”) { //var mediarec = (parseInt(notasrec)/parseInt(qtdrec)) media_estrelas_recomendar(qtdrec, notasrec); } else { media_estrelas_recomendar(1,0); }

BRASÍLIA – Aumenta a pressão para que o governo retire a urgência constitucional dos quatro projetos que tratam da exploração de petróleo na camada pré-sal, em tramitação na Câmara. A oposição começou o movimento para que a urgência seja retirada e prometeu obstruir as votações. Hoje, depois de reunião de líderes, PMDB, PTB, PR e PP também aderiram à estratégia.

A ideia é levar o pedido para a retirada da urgência ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva na próxima reunião do Conselho Político. O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), deve telefonar para o presidente Lula pedindo que a urgência saia dos projetos.

Projetos com urgência constitucional têm uma tramitação mais rápida na Câmara – apenas cinco dias para apresentação de emendas e depois de 45 dias trancam a pauta. O prazo começou a contar ontem, dia em que as matérias chegaram à Casa, e termina em 15 de outubro.

“O prazo tira a capacidade do Congresso de discutir a matéria. Cinco dias para emendas é pouco”, disse o líder do DEM, Ronaldo Caiado (GO). “Acho que esses argumentos conseguiram sensibilizar parte da base do governo”, completou.

A oposição afirma que, se o pedido for mantido, vai continuar a obstruir as votações na Casa. “A urgência não se justifica. A oposição não quer obstrução por obstrução e é preciso que o presidente Lula reveja isso rapidamente”, disse o líder do PSDB, José Aníbal (SP).

Apesar dos apelos, o líder do governo na Câmara, Henrique Fontana (PT-RS), diz que o governo vai insistir na urgência dos projetos. “Continuo dizendo com muita tranquilidade e serenidade: a urgência é importante. A profundidade está ligada ao debate e não ao tempo”, disse, lembrando que o projeto vai trancar a pauta em outubro e aí, de qualquer maneira, precisará ser votado.

Os líderes pediram que a Casa se reúna em comissão geral no dia 22 de setembro para debater com técnicos os projetos de exploração de petróleo da camada pré-sal.

Gripe A H1N1

Fale com o Ministério

Antes de enviar sua mensagem consulte a seção Perguntas Freqüentes. Sua dúvida já pode estar respondida. Caso queira registrar uma reclamação ou denúncia preencha o formulário abaixo. Você também pode ligar para o Disque Saúde – 0800 61 1997, a Central de Teleatendimento do Departamento de Ouvidoria Geral do SUS, para receber informações sobre doenças e registrar reclamações, denúncias e sugestões.
disque saúde 0800 61 1997
Ministério da Saúde – Esplanada dos Ministérios – Bloco G – Brasilia / DF
CEP: 70058-900

Vaias em evento com a presença de Lula azedam relação entre Cabral e Lindberg

Posted in ECONOMIA, GRIPE SUINA gripe A (H1N1) FLU, Luiz Inácio Lula da Silva, NOTICIAS, POLITICA on 2 de Setembro de 2009 by os.maias

Presidente defende governador

Publicada em 02/09/2009 às 00h19m

Luiz Ernesto Magalhães e Maiá Menezes

Entre Cabral e Lindberg, Lula entrega um diploma a um dos formandos do projeto que ajudou beneficiários do Bolsa Família - Gabriel de Paiva

RIO – A julgar pelas reações ao encontro desta terça-feira em torno do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o governador Sérgio Cabral (PMDB) e o prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias (PT), dividiram pela última vez o mesmo palanque. Numa cerimônia, no Maracanãzinho – administrado pelo governo do estado -, Cabral foi vaiado pelo menos cinco vezes e responsabilizou o desafeto, em clima de guerra pré-eleitoral. Os dois, da base de Lula, são pré-candidatos à sucessão estadual em 2010.

– Não vou mais a nenhum evento do Lula em que o Cabral esteja. Toda vez que ele é vaiado, coloca a culpa em mim. Foi assim em Cabo Frio, Nova Iguaçu e hoje (nesta terça). Não tenho nada a ver com essa vaia – disse o prefeito, recém-operado da garganta.

Não vou mais a nenhum evento do Lula em que o Cabral esteja. Toda vez que ele é vaiado, coloca a culpa em mim


Incomodado com as vaias, Lula reclamou, na introdução do discurso, para cerca de 3 mil pessoas, sem citar Lindberg: ( Vídeo: presidente critica vaias durante evento no Rio )

– Não é justo, não é politicamente correto a gente vir para um ato público em que as pessoas mais pobres estão tendo uma pequena oportunidade de receberem o seu diploma e companheiros, com divergências políticas, virem vaiar alguém. E vaiar faz parte da manifestação democrática. Mas é uma coisa depreciativa num ato como esse – disse Lula, que entregou 1.954 diplomas do programa de qualificação profissional para beneficiados pelo Bolsa Família.

Lula: sucessor tem que ter ‘sentimento’

Lula, que disse preferir estar entre o povo do que entre “os mais famosos artistas do mundo”, afirmou que seu sucessor terá de ter “sentimento”.

– Vocês representam a cara de milhões de brasileiros, que estão vendo denúncia de corrupção todo dia. Ano que vem tem eleição, e é hora de o povo brasileiro levantar a cabeça e dizer: agora a gente tem que colocar gente lá que pelo menos tenha sentimento.

Lula conversa com Cabral tendo ao lado o ministro do Trabalho, Carlos Lupi. Ele defendeu o governador do Rio - Gabriel de Paiva

As vaias mais fortes no evento partiram de setores onde estavam integrantes com bandeiras da UNE, liderados pelo diretor Rodrigo Mondego, filiado ao PT:

– Soubemos que tinha esse evento e viemos da Uerj, onde estávamos ouvindo as demandas dos estudantes, para prestigiar. A situação do Rio está crítica em relação à educação.

O protesto ganhou eco entre os 931 formandos de Nova Iguaçu, que estavam na parte de baixo do ginásio. Cada diplomado levou dois convidados, levados por ônibus pagos por dez prefeituras da Região Metropolitana.

“Que papelão, hein?”, diz Cabral a Lindberg

A culpa é do governo dele, que não devia ficar inventando culpados para esconder sua falta de popularidade


Irritado, Cabral, que já fora vaiado há duas semanas em evento com Lula e Lindberg em Nova Iguaçu , desistiu de discursar. Se dirigiu a Lindberg, ainda no palanque, e disse: “Que papelão, hein?”. O prefeito, que saiu antes das outras autoridades, pela porta errada, revelou outra parte da conversa:

– O governador apontou para mim na frente de todos no palco e disse: eles vão ficar roucos como você. Foi a maior saia justa. Parte vaiou e outra não aplaudiu. A culpa é do governo dele, que não devia ficar inventando culpados para esconder sua falta de popularidade.

Em desagravo a Cabral, a executiva estadual do PT tentou acalmá-lo, dizendo que essa não é uma prática do partido. PT e PMDB são aliados. O governador reagiu, dizem testemunhas:

– Eu nunca fui vaiado na vida. Só em evento com Lindberg. Não entendo isso. Eu não sou mal educado com ninguém.

O presidente municipal do PMDB, Jorge Picciani, usou o episódio como munição contra as pretensões do petista.

– Essa já é uma questão patológica. Lindberg precisa de tratamento, porque tem muito ciúmes da relação do presidente com o governador.

Mais cedo, o presidente Lula esteve no velório do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) , Carlos Alberto Menezes Direito . O presidente lamentou a morte e decretou luto oficial de três dias. O ministro faleceu durante a madrugada no Hospital Samaritano devido a complicações no Pâncreas .

À noite, o presidente participou da abertura do 81º Encontro Nacional da Indústria da Construção, no Hotel Windsor, na Barra da Tijuca. Ele começou o discurso engasgando e tossindo, mas tranquilizou a plateia dizendo que não está com gripe suína .

Gripe A H1N1

Fale com o Ministério

Antes de enviar sua mensagem consulte a seção Perguntas Freqüentes. Sua dúvida já pode estar respondida. Caso queira registrar uma reclamação ou denúncia preencha o formulário abaixo. Você também pode ligar para o Disque Saúde – 0800 61 1997, a Central de Teleatendimento do Departamento de Ouvidoria Geral do SUS, para receber informações sobre doenças e registrar reclamações, denúncias e sugestões.
disque saúde 0800 61 1997
Ministério da Saúde – Esplanada dos Ministérios – Bloco G – Brasilia / DF
CEP: 70058-900

Governo começa a definir nesta segunda as ‘regras do jogo’ para o pré-sal

Posted in ECONOMIA, INFOGRAFICO, NOTICIAS on 31 de Agosto de 2009 by os.maias

31/08/09 – 06h35 – Atualizado em 31/08/09 – 10h02

Proposta pode ser alterada, pois passará pelo Congresso Nacional.
Para especialistas, o importante é dar sinalização clara ao mercado.

Ligia Guimarães Do G1, em São Paulo

Divulgação/Divulgação

Plataforma em produção de petróleo na Bacia de Campos. (Foto: Divulgação)

O governo federal marcou para esta segunda-feira (31) a apresentação dos detalhes sobre o marco regulatório de exploração do petróleo do pré-sal. As regras para exploração das reservas são aguardadas com expectativa pelo setor petrolífero há mais de um ano.

Leia também:

Entenda a importância das reservas do pré-sal

Governo recua e estados produtores poderão receber mais recursos do pré-sal

Entenda como funciona o pagamento de royalties do petróleo no Brasil

Relembre o que já foi dito sobre o marco regulatório do pré-sal

Segundo especialistas consultados pelo G1, a iniciativa do governo em alterar as regras do setor divide opiniões, mas gera ao menos um consenso: quanto mais rapidamente as novas regras forem conhecidas e implementadas, maiores serão as chances de as reservas de óleo se reverterem em dinheiro para os cofres públicos brasileiros.

A proposta, elaborada por um conselho interministerial designado em 2008 pelo próprio presidente Lula, precisará ser aprovada no Congresso Nacional antes de entrar em vigor. O objetivo desse grupo é garantir que os lucros da exploração das reservas não fiquem só com as petrolíferas, mas sejam também revertidos para a sociedade.

O petróleo do pré-sal é o óleo descoberto pela Petrobras em camadas ultraprofundas, de 5 mil a 7 mil metros abaixo do nível do mar, o que torna a exploração mais cara e difícil. Somente o Campo de Tupi, cuja descoberta foi anunciada pela estatal em novembro do ano passado, teria reservas estimadas entre 5 bilhões e 8 bilhões de barris, de acordo com a Petrobras.

A previsão inicial, segundo tem sinalizado o governo, era de que a proposta deveria descartar o modelo de concessões atual e adotar o regime de partilha, no qual o óleo extraído é dividido entre a empresa privada e a União, ampliando o controle do governo sobre as reservas de petróleo na camada pré-sal. (Entenda os diferentes modelos de exploração). Após uma reunião no domingo (30) com os governadores de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo, contudo, o governo anunciou recuo em relação à partlha dos recursos e o projeto não deve mexer no regime de participação especial – uma das formas de recompensar os estados produtores.


‘Regras do jogo’

De acordo com o diretor do Centro Brasileiro de Infra-Estrutura (CBIE), Adriano Pires, a definição do novo marco é fundamental porque estabelece as “regras do jogo” para as empresas petrolíferas que queiram investir na exploração do óleo brasileiro.

“Na medida em que você adia qualquer decisão, você vai perdendo. Mesmo que o governo venha com um modelo com alterações que criem mais incertezas ao mercado, é melhor que a incerteza total que há agora enquanto não se conhece as novas regras”, afirma Pires.

Para o especialista, a manutenção do clima de confiança conquistado nos últimos anos pela Lei do Petróleo, que regulamenta o setor desde 1998, é o que atrairá dinheiro para viabilizar a exploração do óleo das profundas camadas do pré-sal.

“O marco regulatório é tão importante porque ele vai definir se o Brasil continua sendo um país com segurança legal e consequente atratividade ao investidor. A maior parte dos países hoje que são produtores de petróleo tem risco de investimento político, como é o caso da Venezuela, ou sociais, no Oriente Médio”, diz Pires.

Negócios ‘paralisados’

Para o consultor e ex-diretor da Agência Nacional do Petróleo (ANP) David Zylbersztajn, o ambiente de incerteza e desconfiança causado pela indefinição das regras paralisa negócios no setor e atrasa a obtenção de vantagens trazidas pelas reservas.

“O setor está parado. Se já tivessem licitado essas áreas (dos blocos do pré-sal, sem mudar a lei atual) teria entrado um dinheiro monstruoso no Brasil. O petróleo estaria em um estado mais avançado do que está hoje, e o governo anteciparia em muito a arrecadação de tributos”, afirma.

De acordo com Zylbersztajn, não há necessidade de se mudar as regras nem o modelo para realizar a exploração dos blocos que contêm petróleo na camada pré-sal. Na avaliação dele, o atual modelo vigente no Brasil, de concessão por licitação, é suficiente.

“Graças à lei que está aí é que o setor pegou essa dinâmica. Ela tem dado estabilidade ao setor, atraído investimentos e achado petróleo. Não é porque se encontrou mais petróleo, ou porque fica embaixo do sal ou na lua que tem que mudar a lei. Ela não tem prazo de validade ou limite de quantidade de óleo”, afirma o consultor.

Para Zylbersztajn, a passagem da lei para aprovação no Congresso em época próxima às eleições oferece riscos à seguridade da proposta a ser fechada pela comissão interministerial. “Em período eleitoral, você corre o risco de não chegar a um consenso ou chegar a um que não seja melhor, se você tentar agradar todo mundo. Pode sair um ‘Frankenstein’ do Congresso”, diz.

Discussão

Opinião diferente da que tem o professor do Grupo de Economia da Energia do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Edmar Luiz Fagundes de Almeida, que ressalta a importância de se rediscutir e alterar as regras da exploração do óleo do pré-sal.

Para ele, debater a regulação atual é importante para evitar contestações depois que a exploração do pré-sal já estiver em andamento. “Eu acho que, se o marco regulatório não mudar, você vai ter uma crescente contestação política no Brasil. Foi o que aconteceu na Bolívia, na Venezuela, na Argentina”, diz.

Veja como é feita, hoje, a partilha dos royalties do pré-sal

GLB.common.flash({ color: ”, wmode: ‘transparent’, width: 600 , height: 400 , swf: ‘/FlashShow/0,,22571,00.swf’ , id: 22571 });


Gripe A H1N1

Fale com o Ministério

Antes de enviar sua mensagem consulte a seção Perguntas Freqüentes. Sua dúvida já pode estar respondida. Caso queira registrar uma reclamação ou denúncia preencha o formulário abaixo. Você também pode ligar para o Disque Saúde – 0800 61 1997, a Central de Teleatendimento do Departamento de Ouvidoria Geral do SUS, para receber informações sobre doenças e registrar reclamações, denúncias e sugestões.