O pior está por vir

GRIPE SUÍNA

Especialistas questionam os critérios adotados pelo Ministério da Saúde para receitar o remédio contra a doença. A falta do medicamento pode ter provocado mortes no Brasil

AN­DRÉIA BA­HIA

Paulo Rassi, secretário municipal de Saúde: “Felizmente, por causa do clima mais tropical, não fomos atingidos como os outros Estados”

Cezar Gonçalves Gomes, diretor do Materno-Infantil: “O risco de contaminação em um hospital é o mesmo que em um shopping”

De acor­do com os úl­ti­mos da­dos do Mi­nis­té­rio da Sa­ú­de, 192 pes­so­as mor­re­ram no Bra­sil de gri­pe su­í­na. Mas os da­dos das Se­cre­ta­rias de Sa­ú­de dos Es­ta­dos apon­tam pa­ra um nú­me­ro bem mai­or: 314 óbi­tos. Uma cifra que tam­bém po­de es­tar su­bes­ti­ma­da, uma vez que vá­ri­as mor­tes ain­da es­tão sen­do in­ves­ti­ga­das em to­dos os Es­ta­dos. Só em Go­i­ás, a Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al de Sa­ú­de aguar­da os exa­mes de cin­co pes­so­as que mor­re­ram com sus­pei­ta da do­en­ça. A úl­ti­ma ví­ti­ma foi um ra­paz de 25 anos, de Ipa­me­ri, que es­ta­va in­ter­na­do em Ca­ta­lão des­de o iní­cio da se­ma­na pas­sa­da e foi trans­fe­ri­do pa­ra o Hos­pi­tal de Do­en­ças Tro­pi­cais (HDT) na quar­ta-fei­ra, 12. Ele mor­reu no dia se­guin­te, me­nos de uma se­ma­na de­pois de sentir os pri­mei­ros sin­to­mas da do­en­ça.

O re­sul­ta­do das in­ves­ti­ga­ções po­de al­te­rar sig­ni­fi­ca­men­te o nú­me­ro de mortes no Pa­ís, co­mo ocor­reu na úl­ti­ma se­ma­na, quan­do os óbi­tos sal­ta­ram de 92 pa­ra os atu­ais 192 em ape­nas no­ve di­as. As mortes já confirmadas co­lo­cam o Bra­sil em ter­cei­ro lu­gar em nú­me­ro de óbitos por gri­pe su­í­na no mun­do, atrás ape­nas dos Es­ta­dos Uni­dos (436) e da Ar­gen­ti­na (338). O Mé­xi­co, pa­ís on­de a pan­de­mia de gri­pe su­í­na co­me­çou, es­tá em quar­to lu­gar com um to­tal de 162 mor­tes. Se­gun­do da­dos do Mi­nis­té­rio da Sa­ú­de, 43% dos pa­ci­en­tes que mor­re­ram de gri­pe su­í­na no Bra­sil apre­sen­ta­vam pe­lo me­nos um fa­tor de ris­co. As ví­ti­mas bra­si­lei­ras cor­res­pon­dem a 10% do to­tal de óbi­tos re­gis­tra­dos no mun­do e o ín­di­ce de le­ta­li­da­de da do­en­ça no Bra­sil é de 0,09 mor­tes em ca­da gru­po de 100 mil ha­bi­tan­tes. Se­gun­do o Mi­nis­té­rio da Sa­ú­de, um ín­di­ce pe­que­no, o se­gun­do me­nor do mun­do.

Um da­do que po­de ser con­tes­ta­do, vis­to que a epi­de­mia, por en­quan­to, es­tá mais con­cen­tra­da em qua­tro Es­ta­do bra­si­lei­ros, São Pau­lo, Rio Gran­de do Sul, Pa­ra­ná e Rio de Ja­nei­ro. Nes­tes Es­ta­dos, o ín­di­ce de le­ta­li­da­de é mui­to mai­or que os 0,09 di­vul­ga­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Sa­ú­de. No Rio de Ja­nei­ro e Rio Gran­de do Sul che­ga a 0,40 e 0,39 res­pec­ti­va­men­te. Se o ví­rus atin­gir os de­mais Es­ta­dos com a mes­ma for­ça nos pró­xi­mos mes­es, o que mui­tos in­fec­to­lo­gis­tas já pre­ve­em, o ín­di­ce de mor­ta­li­da­de pe­la do­en­ça no Bra­sil po­de pas­sar a ser um dos mai­o­res do mun­do. O ín­di­ce mun­di­al é de 0,45.

Des­de abril, quan­do foi re­gis­tra­do o pri­mei­ro ca­so de gri­pe su­í­na no Mé­xi­co, 1.882 pes­so­as mor­re­ram em 48 paí­ses. Um nú­me­ro que não che­ga nem per­to dos 50 mi­lhões de pes­so­as mor­tas na Eu­ro­pa de gri­pe es­pa­nho­la, o que, to­da­via, não im­pe­de que se fa­çam pre­vi­sões ca­tas­tró­fi­cas em re­la­ção à gri­pe su­í­na com ba­se na es­pa­nho­la. Se­gun­do al­guns es­pe­cia­lis­tas, o go­ver­no fe­de­ral es­tá su­bes­ti­man­do o ví­rus H1N1, re­sul­ta­do de uma mu­ta­ção de um ví­rus que in­fec­ta­va ape­nas por­cos e pas­sou a con­ta­mi­nar pes­so­as.

As au­to­ri­da­des de sa­ú­de ten­tam re­fre­ar o pâ­ni­co, que tem le­va­do as pes­so­as, prin­ci­pal­men­te das re­gi­ões Sul e Su­des­te, on­de es­tão con­cen­tra­dos mais de 90% das mor­tes por gri­pe su­í­na, a usar más­ca­ras e evi­tar o con­ta­to pes­so­al e aglo­me­ra­ções. Em Go­i­ás, fo­ram re­gis­tra­dos até ago­ra 28 ca­sos, 33 es­tão sen­do in­ves­ti­ga­dos e ne­nhu­ma mor­te pe­la do­en­ça foi con­fir­ma­da. Tal­vez por is­so ain­da se­jam vis­tas si­tu­a­ção de to­tal de­sa­ten­ção com a do­en­ça em lo­ca­is de aten­di­men­to de sa­ú­de, on­de grá­vi­das, cri­an­ças e ido­sos se mis­tu­ram com pes­so­as com sin­to­mas de gri­pe nas sa­las de es­pe­ra. O úni­co cui­da­do dis­pen­sa­do aos ca­sos sus­pei­tos de gri­pe é o uso da más­ca­ra. “Não tem co­mo iso­lar to­dos os ca­sos de sín­dro­me res­pi­ra­tó­ria e o ris­co de con­ta­mi­na­ção em um hos­pi­tal é o mes­mo que em um shop­ping”, afir­ma o di­re­tor do Hos­pi­tal Ma­ter­no-In­fan­til, Ce­zar Gon­çal­ves Go­mes.

Se­gun­do o se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Sa­ú­de, Pau­lo Ras­si, até ago­ra Go­i­ás foi be­ne­fi­ci­a­do pe­lo cli­ma. “Fe­liz­men­te, por cau­sa do cli­ma mais tro­pi­cal, não fo­mos atin­gi­dos co­mo os ou­tros Es­ta­dos.” Na opi­ni­ão do se­cre­tá­rio, que é mé­di­co, há a pos­si­bi­li­da­de de a pan­de­mia es­tar sen­do su­bes­ti­ma­da, pois se tra­ta de uma do­en­ça gra­ve, que em al­guns ca­sos re­quer in­ter­na­ção até mes­mo em cen­tros de tra­ta­men­to in­ten­si­vo. “É uma do­en­ça de ris­co por­que ou­tros ví­rus e bac­té­rias se apro­vei­tam da gri­pe pa­ra ata­car.” Mas mes­mo as­sim Pau­lo Ras­si não re­co­men­da a se­gre­ga­ção de pes­so­as que apre­sen­tem sin­to­mas de gri­pe. Se­gun­do ele, ape­nas grá­vi­das e pes­so­as com imu­ni­da­de bai­xa de­vem to­mar pre­cau­ções. “Não há ne­ces­si­da­de de alar­de”, diz.

O se­cre­tá­rio afir­ma que as mor­tes ocor­ri­das pe­la do­en­ça eram es­pe­ra­das por­que ocor­rem tam­bém em ca­sos de gri­pe co­mum. Pau­lo Ras­si acre­di­ta que o pi­or da gri­pe su­í­na ain­da es­te­ja por vir. “O ví­rus vi­rá mais for­te no ano que vem”, pre­vê. Na opi­ni­ão de Ce­zar Go­mes, a mai­o­ria das pes­so­as que con­tra­í­rem o ví­rus In­flu­en­za H1N1 vai ter ape­nas uma gri­pe que de­ve evo­lu­ir nor­mal­men­te. Pa­ra ele, a no­vi­da­de da gri­pe su­í­na é a es­ca­la que ela atin­giu. “Ela ga­nhou es­sa im­por­tân­cia por se tra­tar de uma pan­de­mia.” De tem­pos em tem­pos, ob­ser­va o di­re­tor do Ma­ter­no-In­fan­til, ocor­re a mu­ta­ção de al­gum ví­rus, o que vem a pro­vo­car no­vas epi­de­mi­as. O que ex­pli­ca­ria epi­de­mi­as co­mo a fe­bre es­pa­nho­la. “Com a glo­ba­li­za­ção e a po­pu­la­ção ca­da vez mai­or, as epi­de­mi­as ten­dem a ser ca­da vez mai­o­res.”

A di­re­to­ra da Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria de Go­i­â­nia, Cris­ti­na La­val, que re­pre­sen­ta o mu­ni­cí­pio no co­mi­tê cri­a­do pa­ra de­fi­nir me­di­das de com­ba­te a gri­pe su­í­na em Go­i­ás, diz que a par­tir de ago­ra, as es­ta­tís­ti­cas so­bre a do­en­ça vão re­fle­tir ape­nas os ca­sos mais gra­ves, aque­les que se­rão mo­ni­to­ra­dos pe­las au­to­ri­da­des de sa­ú­de. “Mas se exis­tem ca­sos gra­ves, o nú­me­ro de ocorrências le­ves é mui­to mai­or”, afir­ma. Ape­sar de di­zer que não é ca­so pa­ra ce­leu­ma, Cris­ti­na La­val ad­mi­te que a si­tu­a­ção é pre­o­cu­pan­te. “Não há ne­ces­si­da­de de uso de más­ca­ras por­que is­so não vai con­tri­bu­ir pa­ra evi­tar a cir­cu­la­ção do ví­rus, que já cir­cu­la li­vre­men­te pe­lo pa­ís. Se­gun­do ela, a gran­de mai­o­ria dos ca­sos de gri­pe su­í­na é mo­de­ra­do e a mor­ta­li­da­de por nú­me­ro de ha­bi­tan­tes não é alar­man­te: “É se­me­lhan­te à pro­vo­ca­da pe­lo ví­rus in­flu­en­za co­mum.”

Em Go­i­ás, os ca­sos sus­pei­tos da do­en­ça es­tão sen­do en­ca­mi­nha­dos pa­ra o HDT e Ma­ter­no-In­fan­til, uni­da­des de re­fe­rên­cia pa­ra tra­ta­men­to da gri­pe su­í­na. Se­gun­do o di­re­tor do Ma­ter­no-In­fan­til, Ce­zar Gon­çal­ves Go­mes, o hos­pi­tal es­tá pre­pa­ra­do pa­ra aten­der a quan­ti­da­de de ca­sos que têm si­do en­ca­mi­nha­dos pa­ra a uni­da­de por dia, du­as a três grá­vi­das e cer­ca de 60 cri­an­ças com sin­to­mas da gri­pe. “O que es­tá den­tro da mé­dia em re­la­ção aos ca­sos de do­en­ças res­pi­ra­tó­ri­as”, afir­ma. Até ago­ra, ne­nhum ca­so sus­pei­to de gri­pe su­í­na tra­ta­do no Ma­ter­no-In­fan­til foi con­fir­ma­do e ape­nas du­as grá­vi­das es­tão in­ter­na­das no hos­pi­tal com sin­to­mas da do­en­ça e o es­ta­do de sa­ú­de de am­bas é es­tá­vel. “Por en­quan­to, o Ma­ter­no-In­fan­til es­tá con­se­guin­do aten­der a de­man­da.”

Mas o mé­di­co es­tá pre­o­cu­pa­do com a pers­pec­ti­va de au­men­to no nú­me­ro de ca­sos. “Aí te­re­mos di­fi­cul­da­des pa­ra aten­der.” O HDT já vi­ve es­sa si­tu­a­ção. Não ha­via, no hos­pi­tal, UTI pa­ra re­ce­ber o ra­paz de Ipa­me­ri que mor­reu na quin­ta-fei­ra com sin­to­mas da do­en­ça e que ha­via che­ga­do ao HDT em es­ta­do gra­ve, ne­ces­si­tad­no de tra­ta­men­to in­ten­si­vo. Mes­mo as­sim, o di­re­tor do HDT, Bo­a­ven­tu­ra Braz Quei­roz, ava­lia co­mo dis­cre­to o im­pac­to da gri­pe su­í­na em Go­i­ás. “A en­tra­da do ví­rus no Es­ta­do é in­ci­pi­en­te, mas a ten­dên­cia é au­men­tar nos pró­xi­mos 12 mes­es”, afir­ma. Até se­tem­bro, o mé­di­co acre­di­ta que vá ha­ver um au­men­to dos ca­sos e de­pois, no ve­rão, uma re­du­ção sig­ni­fi­ca­ti­va, vis­to que as es­ta­ções fri­as são mais pro­pí­cias pa­ra a pro­li­fe­ra­ção do ví­rus.

Bo­a­ven­tu­ra Quei­roz ob­ser­va que o ví­rus da gri­pe su­í­na é se­me­lhan­te ao da gri­pe co­mum, com a di­fe­ren­ça que aco­me­te gra­ve­men­te tam­bém pes­so­as de 20 a 40 anos, que nor­mal­men­te não so­frem com as gri­pes cha­ma­das sa­zo­nais. Pes­so­as que não fa­zem par­te do cha­ma­do gru­po de ris­co com­pos­to por grá­vi­das, ido­sos com mais de 60 e me­nos, cri­an­ças com me­nos de 2 anos e do­en­tes crô­ni­cos e que, por­tan­to, não po­dem re­ce­ber o me­di­ca­men­to usa­do pa­ra com­ba­ter a do­en­ça, o Ta­mi­flu, de acor­do com o pro­to­co­lo do Mi­nis­té­rio da Sa­ú­de. Os cri­té­rios ado­ta­dos pe­lo mi­nis­té­rio pa­ra dis­tri­bu­ir o re­mé­dio vêm sen­do cri­ti­ca­do por vá­rios in­fec­to­lo­gis­tas do pa­ís.

Pa­ra mui­tos mé­di­cos, o nú­me­ro ele­va­do de mor­tes por gri­pe su­í­na no Bra­sil é con­se­quên­cia da res­tri­ção do me­di­ca­men­to. Não opi­ni­ão de Bo­a­ven­tu­ra Quei­roz, até ago­ra o go­ver­no fe­de­ral to­mou as me­di­das cor­re­tas em re­la­ção ao no­vo ví­rus, to­da­via er­ra ao res­trin­gir a in­di­ca­ção de Ta­mi­flu. “O mais cor­re­to era dei­xar a con­du­ta a cri­té­rio dos mé­di­cos, por­que eles que sa­bem se o me­di­ca­men­to é ne­ces­sá­rio ou não pa­ra o pa­ci­en­te.” Po­lí­ti­ca ado­ta­da em ou­tros paí­ses que apre­sen­tam um ín­di­ce de le­ta­li­da­de por gri­pe su­í­na mui­to me­nor que a do Bra­sil. É o ca­so da In­gla­ter­ra e do Chi­le, on­de a me­di­ca­ção é dis­tri­bu­í­da li­vre­men­te e o nú­me­ro de mor­tes bem in­fe­ri­or ao do Bra­sil.

A res­tri­ção no Bra­sil não ocor­re por fal­ta do me­di­ca­men­to. Se­gun­do Bo­a­ven­tu­ra Quei­roz, dos 500 tra­ta­men­tos que a Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al de Go­i­ás re­ce­beu, ape­nas 15% fo­ram dis­pen­sa­dos. O mi­nis­tro da Sa­ú­de, Jo­sé Go­mes Tem­po­rão, diz que a res­tri­ção ocor­re pa­ra que não ha­ja o uso in­dis­cri­mi­na­do do me­di­ca­men­to, o que po­de­ria pro­vo­car re­sis­tên­cia no ví­rus em re­la­ção ao Ta­mi­flu. Os in­fec­to­lo­gis­tas não de­fen­dem a ven­da li­vre em far­má­cia, mas a in­di­ca­ção pa­ra to­dos os pa­ci­en­tes com sin­to­mas, já que a re­mé­dio só faz efei­to se mi­nis­tra­do nas pri­mei­ras 48 ho­ras após o sur­gi­men­to dos sin­to­mas. Co­mo se tra­ta de uma do­en­ça agu­da, o re­mé­dio en­cur­ta seu pe­rí­o­do e evi­ta o apa­re­ci­men­to das com­pli­ca­ções. “O que es­tá sen­do ques­ti­o­na­do na pres­cri­ção do me­di­ca­men­to é a ava­li­a­ção do mé­di­co” ob­ser­va o HDT.

Em Go­i­â­nia, além do HDT e Ma­ter­no-In­fan­til, ape­nas ou­tras cin­co uni­da­de de sa­ú­de re­cei­tam o Ta­mi­flu. O me­di­ca­men­to tam­bém vai es­tar dis­po­ní­vel em ou­tras 15 ci­da­des do in­te­ri­or a par­tir des­ta se­ma­na. Se­gun­do a di­re­to­ra da Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria de Go­i­â­nia, Cris­ti­na La­va l, o pro­ble­ma da gri­pe su­í­na é o di­ag­nós­ti­co, já que a vi­ro­se apre­sen­ta os mes­mo sin­to­mas que ou­tras do­en­ças: fe­bre aci­ma de 39 graus, tos­se e dor de gar­gan­ta. Na gri­pe su­í­na, os sin­to­mas per­ma­ne­cem até cin­co di­as. “Nes­tes ca­sos, a pes­soa de­ve pro­cu­rar o mé­di­co.” Ela ex­pli­ca que em ca­sos le­ves, são re­cei­ta­dos os me­di­ca­men­tos pa­ra a gri­pe co­mum. Pa­ra con­se­guir o Ta­mi­flu, a pes­soa pre­ci­sa fa­zer par­te do gru­po de ris­co e ain­da apre­sen­tar a re­cei­ta mé­di­ca, um for­mu­lá­rio pró­prio pa­ra a dis­pen­sa do me­di­ca­men­to e com­pro­van­te de en­de­re­ço.

No pri­mei­ro mo­men­to, o go­ver­no ten­tou bar­rar a en­tra­da o ví­rus no Pa­ís e, se­gun­do o mi­nis­tro Jo­sé Go­mes Tem­po­rão, as me­di­das re­tar­da­ram a en­tra­da no ví­rus no Bra­sil por 80 di­as. Num se­gun­do mo­men­to, fo­ram mo­ni­to­ra­dos to­dos os ca­sos pa­ra se co­nhe­cer o per­fil da do­en­ça e, com o cres­ci­men­to no nú­me­ro de ca­sos, ado­ta­das me­di­das pa­ra aten­der os mais gra­ves. Co­mo o ví­rus já cir­cu­la pe­lo Pa­ís, não há me­di­das pre­ven­ti­vas con­tra a do­en­ça. Ape­nas a va­ci­na, que co­me­çou a ser pro­du­zi­da re­cen­te­men­te no Brasil, po­de evi­tar o con­tá­gio e as pri­mei­ras do­ses es­tão pre­vis­tas pa­ra o ano que vem.

As au­to­ri­da­des de sa­ú­de têm ori­en­ta­do as pes­so­as a evi­tar aglo­me­ra­ções e, prin­ci­pal­men­te, hos­pi­tais se não esti­ve­rem com os sin­to­mas da do­en­ça. La­var as mãos com sa­bão tam­bém pas­sou a ser pre­ven­ção da gri­pe su­í­na. Me­di­das pou­co efi­ca­zes, ca­so se con­fir­mem as pre­vi­sões dos mais pes­si­mis­tas.

Swine Flu Info
Gripe A H1N1

Fale com o Ministério

Antes de enviar sua mensagem consulte a seção Perguntas Freqüentes. Sua dúvida já pode estar respondida. Caso queira registrar uma reclamação ou denúncia preencha o formulário abaixo. Você também pode ligar para o Disque Saúde – 0800 61 1997, a Central de Teleatendimento do Departamento de Ouvidoria Geral do SUS, para receber informações sobre doenças e registrar reclamações, denúncias e sugestões.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: