Chegada da nova gripe a presídios em SP preocupa infectologistas

Nesta quinta (13), foram anunciados casos em Ribeirão Preto e Sorocaba.
Superlotação e higiene podem facilitar transmissão, diz especialista.

Emilio Sant’Anna Do G1, em São Paulo

var midiaEmbed = { tema: “cinzaEscuro”, imagem: ‘/GMC/foto/0,,21642073-EX,00.jpg’ , banda: ‘TIPO_TXT’ , corFundo : “FFFFFF”, corFonte : “000000”, corLink : “FF00FF”, corBorda : “00FF00”, autoStart: false, midiaId: 1102820 }; var embed = new GMCEmbed(midiaEmbed); embed.print();

A chegada da nova gripe aos presídios preocupa dois infectologistas ouvidos pelo G1: Caio Rosenthal, do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), e Vicente Amato Neto, ex-professor da USP.

Nesta quinta-feira (13), a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo confirmou os dois primeiros casos de pacientes detentos, em Sorocaba e Ribeirão Preto.

O temor dos especialistas é que a má condição sanitária da população carcerária proporcione a disseminação da doença com maior rapidez.

Segundo o infectologista Caio Rosenthal, a contaminação de presidiários já era esperada. Ele diz que o Cremesp já vinha debatendo a questão. “Os casos em presídios são muito graves e preocupantes para nós”, afirma o médico. “A condição sanitária do paciente institucionalizado é um problema que chama a atenção do conselho.”

Rosenthal afirma que é quase impossível conter o avanço dos casos entre os presos. “É como um rastilho de pólvora e a superlotação e condições de higiene formam um caldo de cultura ideal para a transmissão”, explica.

Segundo o infectologista e ex-professor da USP Vicente Amato Neto, apesar de ser impossível evitar aglomerações nos presídios, alguma medida deve ser tomada para a proteção dos presos e da sociedade.

O médico, de 81 anos, acompanhou quase todas as epidemias do século 20 e garante que a cada dia os especialistas aprendem mais com a nova gripe. “Sabemos alguma coisa, mas ainda estamos longe de sabermos tudo”, diz.

Gripe A H1N1

Fale com o Ministério

Antes de enviar sua mensagem consulte a seção Perguntas Freqüentes. Sua dúvida já pode estar respondida. Caso queira registrar uma reclamação ou denúncia preencha o formulário abaixo. Você também pode ligar para o Disque Saúde – 0800 61 1997, a Central de Teleatendimento do Departamento de Ouvidoria Geral do SUS, para receber informações sobre doenças e registrar reclamações, denúncias e sugestões.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: