ANA PAULA AROSIO CASA DE BONECA



ANA PAULA AROSIO CASA DE BONECA, upload feito originalmente por photos.elainecristina.

Escândalo! Nora (pronuncia-se Nôha, com h aspirado) – norueguesa, 26 anos, casada, três filhos, do lar – arma um escândalo no teatro ocidental. O “caso” Nora é um tema maldito, precisa ser esquecido, a sociedade está proibida de falar dele.
Como Nora, outras mulheres infernizaram o século XIX. Lembram delas? Ana e Amma, por exemplo, que levavam o sobrenome dos respectivos maridos, Alexei Alexandrovitch Karenine e Charles Bovary. A humanidade de cada uma delas não podia ser contidas pelas regras sociais do tempo em que viveram e, entre ser o que elas queriam ser e o que queriam que elas fossem, preferiam a paixão e a liberdade.
Escândalo!
E agora, que o escândalo virou moda, que escândalo não existe mais ou que, enfim, viver é um escândalo?
Agora, Nora (pronuncie apenas Nora, à brasileira) pode ser vista melhor. Henrik Ibsen, que escreveu Casa de Boneca sob o sol da Itália, não precisaria mais ir a uma reunião de sufragistas (uma reunião de sufragistas agora, onde?) para dizer não, meu povo, eu “não fiz nada pela emancipação da mulher; para dizer a verdade, nem sequer compreendo muito bem o que se entende por isso; tenho batalhado muito em prol da libertação da Humanidade em geral, e pode ser que tenha entrado aí a questão feminista”. Enfim, meu povo, “fui mais poeta e menos filósofo social do que se pensa”.
Agora, podemos enxergar muito melhor e verdadeira Nora. Dá para ver bem que é ela quem está horrorizada com a sociedade. Essa jovem e protagonista de um mundo novo que está se formando, de uma sociedade que está fincando seus pilares. E dá para ver tudo muito bem porque nós já encontramos esses pilares plantados e firmes. Firmes?
Os jovens personagens dessa peça – agora, também da para ver melhor que eles são jovens – atiram-se de peito aberto nessa sociedade. Torvald, executivo de um grande banco, o acktiebanken (deixamos assim, como não faziam as outras traduções, para ficar visível a sua marca, mais essa grife do dinheiro), e sua ética inatacável: no fundo, o culto das aparências. Krogstad, tão perplexo quanto Nora , um homem desesperado por ter se confundido com as regras do jogo. Cristine, a jovem amiga, amarga, que volta um dia para reconquistar o que perdeu. O Dr. Rank condenado por uma herança maldita, tenta manter com delicadeza seu diálogo com o amor e a morte.
E, no centro de tudo, Nora. O teatro, berço de mitos: todo mundo que quer ver o mundo com seus próprios olhos e seguir o seu próprio caminho é Nora (como se pronuncia: nova, novo?).
Esses jovens atormentados renascem aqui, no Rio de Janeiro, capital da América portuguesa, com o corpo e a alma,o sangue e a poesia desses jovens brasileiros, atrizes e atores, protagonistas eles também. Raras vezes nos mais de 120 anos em que este drama é encenado, os atores tem a mesma idade das personagens. Pois eu saúdo aqui essa juventude – a sabedoria profunda que eles têm da peça também nasce de alguma misteriosa forma de identidade de “geração”. E graças a essa sabedoria e a poderosa capacidade de expressão dessas atrizes e atores podemos nos entregar mais a poesia de Ibsen, que nos repete “fui mais poeta do que…”
Aderbal Freire-Filho (Diretor)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: