Paraná flexibiliza uso do Tamiflu contra gripe suína

Luciana Cristo e agências <!– Entre em contato –>

Arquivo
José Fernando, presidente da AMP.

O antiviral Tamiflu, usado no combate ao vírus H1N1, causador da gripe suína, vai poder ser usado no Paraná para não deixar que a doença se agrave, podendo ser prescrito nas primeiras 48 horas de aparecimento dos sintomas, quando o medicamento tem sua eficácia máxima.

Até agora, o medicamento só era receitado para pacientes de grupos de risco (que tivessem outras doenças, fossem crianças ou idosos) ou para quem apresentasse todos os sintomas da doença, e não apenas alguns deles.

A decisão, que vai contra o protocolo do Ministério da Saúde, foi tomada depois que os profissionais da Associação Médica do Paraná (AMP), do Conselho Regional de Medicina (CRM-PR) e das sociedades paranaenses de Pneumologia, de Pediatria e de Infectologia fizeram o pedido ontem ao secretário estadual de Saúde, Gilberto Martin. Decisão semelhante já havia sido anunciada na semana passada por Foz do Iguaçu.

De acordo com o presidente da AMP, José Fernando Macedo, os profissionais da saúde estavam preocupados com o aumento do número dos casos de pacientes jovens que pudessem evoluir para quadros mais graves. “Estamos formando uma gestão de médicos paranaenses para pedir ao Ministério que o protocolo seja revisto nesse aspecto”, afirmou.

No entendimento de Martin, o novo procedimento é deixar as normas mais flexíveis na prescrição no medicamento, e não quebrar o protocolo. “Não vamos romper, de maneira alguma, o protocolo do Ministério da Saúde. Temos que ter uma avaliação rigorosa do quadro clínico de cada paciente para que não falte medicamento a ninguém que precise”, garantiu.

A distribuição do Tamiflu continua centralizada na Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). No Rio de Janeiro, o ministro da Saúde José Gomes Temporão condenou a distribuição indiscriminada do Tamiflu e voltou a defender que os órgãos públicos sigam com rigor o protocolo do Ministério.

O ministro criticou especialistas que incentivam a distribuição do remédio por hospitais, explicou que a distribuição sem controle estimula a automedicação e pode provocar a resistência do vírus. Ontem, o Teatro Positivo, em Curitiba, anunciou que estão suspensos todos os eventos programados para esse mês.

Mortes

No Hospital de Clínicas de Curitiba subiu para dez o número de mortes suspeitas de terem sido causadas pela nova gripe. Até agora, nenhuma foi confirmada. No Brasil, mais 20 mortes por gripe suína foram confirmadas pelas secretarias municipais e estaduais de saúde de cinco estados desde a última sexta-feira, elevando o total de óbitos para 96.

Rio de Janeiro registrou o maior número de mortes: sete divulgadas ontem. Entre as vítimas, estão três grávidas e três crianças. Duas delas tinham problemas neurológicos e uma delas doença pré-existente.

As gestantes tinham 16, 22 e 28 anos. São Paulo e Rio Grande do Sul tiveram mais quatro mortes cada um e, na Bahia e em Pernambuco ocorreram as primeiras mortes pela doença. Santa Catarina também anunciou as primeiras três mortes, entre elas uma grávida de 22 anos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: