Arquivo de Outubro, 2008

McCain acusa a ‘Los Angeles Times’ de tapar la relación de Obama con un líder palestino

Posted in POLITICA on 31 de Outubro de 2008 by os.maias

DAVID ALANDETE – Washington – 31/10/2008

John McCain y Sarah Palin han acusado esta semana al diario Los Angeles Times de tratar de favorecer a Barack Obama, porque su director se ha negado a difundir una cinta grabada en 2003 en la que el senador demócrata da un discurso en una fiesta en honor al intelectual palestino Rashid Jalidi, del que los republicanos dicen que fue portavoz de la OLP en los años ochenta.


“Entre otras muchas cosas, se describió a Israel como un Estado terrorista”, dijo el miércoles Palin en Ohio. “Lo que no sabemos es cómo reaccionó Obama a estas acusaciones”. El mismo día, McCain reveló que en la misma comida se encontraba el ex terrorista Bill Ayers, al que ha tratado de relacionar con el demócrata.

El diario obtuvo la cinta en primavera y publicó un extenso reportaje sobre la relación del senador con los líderes árabes que residen en Chicago. En él, el periodista Peter Wallsten escribe que en el acto se acusó a Israel de practicar el apartheid, pero que el candidato demócrata “pidió en sus comentarios un entendimiento común” entre judíos y palestinos. La fuente que entregó la grabación al rotativo lo hizo con la condición de anonimato y de que no se difundiera su contenido.

Estas explicaciones no han contentado a McCain ni a Palin, que han convertido el asunto en un tema central de esta semana. El miércoles, en una entrevista radiofónica, McCain ironizó sobre el asunto, diciendo que “si hubiera una cinta de John McCain vestido de neonazi, el tratamiento de la información sería ligeramente diferente”. Los Angeles Times ha pedido el voto para Obama.

Jalidi fue profesor en la Universidad de Chicago hasta 2003. Tres años antes organizó un acto de recaudación de fondos en honor de Obama, entonces senador en Illinois. Obama y Ayers eran directivos en la fundación Woods cuando esta institución concedió fondos a la Red de Acción Árabe-Americana, dirigida por Mona, la esposa de Jalidi. El profesor palestino ha negado que fuera portavoz de la OLP, que hasta 1991 estuvo en la lista de organizaciones terroristas de EE UU.

Florida gira hacia los demócratas pese al exilio cubano

Posted in POLITICA on 31 de Outubro de 2008 by os.maias

La ola de cambio amenaza el escaño de los congresistas republicanos del Estado

JUAN-JOSÉ FERNÁNDEZ – Miami – 31/10/2008

Florida, que ha sido fiel a George W. Bush, parece apostar ahora por Barack Obama . Y la ola va más allá del candidato: las encuestas auguran incluso la derrota histórica de dos de los tres congresistas estatales republicanos: los hermanos Díaz-Balart.

Si al final se cumplen estos augurios, será “a pesar del voto cubano”, que favorece a John McCain según los datos más recientes. La fidelidad tradicional cubana a los republicanos ?y a los Díaz-Balart? parece a prueba de fuego y de cualquier crisis, pero el crecimiento de otras comunidades y del voto joven, harto de las viejas políticas, predicen un giro.

Una encuesta muy significativa hecha en Miami a pie de urna en las largas colas de votantes anticipados ha dado hoy resultados elocuentes. La empresa Bendixen entrevistó a 8.600 votantes en 18 de los 20 colegios electorales entre el 20 y el 29 de octubre. El 61% de los encuestados dijo votar por Obama, frente al 39% por McCain. Pero entre los hispanos aún ganó el senador republicano por 53% a 47%, fundamentalmente gracias a los cubanos, la mayoría del censo, que en un 69% optó por McCain. Pero entre los jóvenes, tanto de origen cubano como hispanoamericano, nacidos en EE UU, así como los anglosajones, Obama arrasó: 72% contra 28%. Entre los afroamericanos, el apoyo demócrata ascendió al 98%. Y entre los judíos, tradicionalmente demócratas, fue del 85%.

Cambia el voto joven

La intención del voto joven, el que ha llegado más recientemente de la isla, está cambiando día a día como consecuencia de aperturas como los viajes y el envío de dinero. Su decisión parece anunciar la derrota que pronostican las encuestas de los hermanos Díaz-Balart. La tercera congresista republicana en liza, Iliana Ros-Lehtinen, resiste mejor quizá sólo porque su rival es de origen colombiano y tiene menos experiencia.

En todo caso, palabras como socialismo son aún tabú para los cubanos cuando están a punto de cumplirse 50 años de la Revolución. Por eso, muchos de ellos desconfían de los cambios y siguen alineados con la vieja guardia del exilio más duro anticastrista. Las propuestas de Obama, que resultarían moderadas en Europa, suponen la apertura de un camino peligroso.

“Yo he luchado siempre contra el comunismo, me tuve que ir de Cuba para que no me mataran y en busca de libertad. Soy anticomunista como una de mis premisas a estas alturas de mi vida y no quiero saber nada de algo que se le parezca”, subraya el septuagenario Adolfo, que defiende el legado de Bush y confía en el senador McCain. La mayoría de esta generación de exiliados teme que Obama negocio con el régimen cubano y acabe legitimándolo.

Pero también hay excepciones y no sólo entre los jóvenes. Como el sexagenario Roberto: “Ya está bien de chocar contra la pared. Aunque Obama sea negro ?un prejuicio que existe pero que muchos no dicen porque no está bien visto? siempre será mejor que el desastre de estos ocho años y que poco podrá o querrá cambiar McCain”.

Tá frio, ministro

Posted in GUILHERME FIUZA on 31 de Outubro de 2008 by os.maias


Qua, 29/10/08
por gmfiuza |

O governo brasileiro, como se sabe, andou minimizando a crise internacional. Como o otimismo já estava pegando mal, diante da crescente derrocada do mercado, Guido Mantega, nosso homem forte (sic), resolveu bater no peito e admitir que a tormenta será intensa e duradoura.

Fez isso exatamente no momento em que as bolsas voltaram a subir no mundo inteiro.

Está interessante essa brincadeira de esconde-esconde entre a autoridade e a crise. Talvez seja a hora de alguém começar a orientar Mantega na base do “Tá quente!”, “Tá frio!”, para ver se ele pára de se desencontrar dos problemas.

É uma crise que ninguém sabe direito qual é, nem onde vai dar. Mas uma coisa é certa: o mercado nunca esteve tão passional. Ou seja, é a hora dos líderes regerem as expectativas. Não de serem regidos por elas, como o ministro da Fazenda brasileiro.

As comparações com a crise de 29 nos Estados Unidos são patéticas. Naquela ocasião, o mercado financeiro, ainda de calças curtas, perdeu completamente o passo em relação às riquezas da economia. Os papéis voaram para muito longe da equivalência com os bens.

É impossível um descompasso desse nível nos dias de hoje. Por mais que o valor dos títulos seja arbitrário, há um cipoal de amarras entre o mercado financeiro e as riquezas produzidas. No mundo atual, não dá mais para os Estados Unidos dormirem ricos e acordarem com o pires na mão.

Os alertas de que poderia estar se iniciando uma nova Grande Depressão, que se arrastou por toda década de 30, podem ser alarmismo, ingenuidade ou ignorância.

A bolha imobiliária americana e as alavancas exageradas dos fundos de investimento baratinaram o sistema de crédito. A confiança foi momentaneamente para o brejo. A suposta “crise econômica” é, antes de tudo, uma crise de expectativas.

Num efeito dominó cheio de irracionalidade, em que se viram simples lojas de departamentos capando vendas a prazo antes de qualquer contração real do crédito, o componente psicológico é determinante. Aí entra o papel dos líderes.

Nos anos 30, Roosevelt não tinha só um plano. Tinha carisma. O New Deal, de certa forma, era ele.

No que depender do carisma e da presença de espírito de um Guido Mantega, a prosperidade (da crise) está garantida.

  • foto_fiuza.jpg
  • Guilherme Fiuza

    Jornalista, é autor de Meu nome não é Johnny, que deu origem ao filme. Escreveu também o livro 3.000 Dias no Bunker, reportagem sobre a equipe que combateu a inflação no Brasil. Em política, foi editor de O Globo e assinou em NoMínimo um dos dez blogs mais lidos nessa área. Este espaço é uma janela para os grandes temas da atualidade, com alguma informação e muita opinião.

Bovespa fecha em nova queda e acumula perda de 41,7% no ano

Posted in ECONOMIA on 31 de Outubro de 2008 by os.maias

Em Nova York, o índice Dow Jones apresentou a melhor semana desde 1974 e o pior mês desde agosto de 1998

Da Redação


Componentes.montarControleTexto(“ctrl_texto”)

SÃO PAULO – A Bolsa de Valores de São Paulo fechou a última sessão do mês no vermelho, em meio a uma realização de lucros com ações de bancos e de commodities. Na contramão de Wall Street, o Ibovespa teve queda de 0,51%%, a 37.256 pontos. Com isso, o índice fechou o mês com desvalorização de 24,80%. No ano, a perda é de 41,68%.

link

Em Nova York, o Dow Jones fechou em alta de 1,57% nesta sexta-feira, acumulando valorização de 11,3% na semana – a maior desde outubro de 1974. No mês, porém, a queda porcentual do índice, de 14%, foi a pior desde agosto de 1998.

Dentre os piores desempenhos da Bovespa, a Companhia Siderúrgica Nacional perdeu 8,3%, para R$ 28,71. No setor financeiro, Nossa Caixa puxou a fila, desabando 6,5%, para R$ 32,30.

No mercado de câmbio, o dólar voltou a subir, após quatro sessões em queda, e fechou o mês com valorização de 13,35%, a maior desde fevereiro de 1999. A moeda fechou em alta de 2,52% nesta sexta-feira, cotada a R$ 2,156. A atuação do Banco Central no mercado fez efeito, mas não foi suficiente para evitar que a moeda norte-americana acumulasse alta de 21,46% em 2008.

Já as bolsas de valores européias fecharam a sexta-feira em alta, impulsionadas pelos papéis do setor petrolífero e farmacêutico. O índice das principais ações européias FTSEurofirst 300 registrou alta de 2,79%, para 928 pontos. No mês, porém, o índice teve perda de 12,7%, na pior queda desde setembro de 2002, quadro alimentado pela crise de crédito e pela conseqüente desaceleração econômica.

Em Londres, o índice FT-100 subiu 85,69 pontos (2,00%) e fechou com 4.377,34 pontos. Na semana, o índice acumulou um ganho de 12,72% mas, no mês, sofreu uma queda de 10,71%. “O sentimento nos mercados parece ter revivido (nesta semana)”, comentou Jeremy Batstone-Carr, chefe de pesquisas da Charles Stanley. “Temos muito caminho pela frente para uma recuperação econômica, mas os investidores se perguntam cada vez mais se a recessão global já foi precificada”, disse.

Em Paris, o índice CAC-40 avançou 79,25 pontos (2,33%) e fechou com 3.487,07 pontos. Na semana, o índice teve uma valorização de 9,18% mas, no mês, registrou uma desvalorização de 13,52%.

Em Frankfurt, o índice Dax-30 subiu 118,67 pontos (2,44%) e fechou com 4.987,97 pontos. Na semana, o índice registrou um ganho de 16,12% mas, no mês, sofreu um tombo de 14,46%. BASF fechou com alta de 8,4% nesta sexta-feira. A seguradora Allianz recuou 6,4% influenciada pela queda nas ações da também seguradora Hartford, que registrou prejuízo no terceiro trimestre. Volkswagen devolveu os ganhos iniciais e fechou praticamente estável, com queda de 0,10%.

Em Madri, o índice IBEX-35 fechou com alta de 293,10 pontos (3,32%) para 9.116,00 pontos, puxado pelas ações do setor financeiro. Na semana, o índice acumulou uma alta de 9,13% mas, no mês, registrou um declínio de 17,03%. Santander subiu 5,4%, BBVA avançou 4,5% e Banco Popular subiu 6,32%.

Em Milão, o índice S&P/MIB subiu 599 pontos (2,88%) e fechou com 21.367 pontos. Na semana, o índice registrou uma valorização de 7,49% mas, no mês, sofreu uma perda de 16,31%. Nesta sexta, as ações da petrolífera ENI subiram 4,34% e as Parmalat avançaram 5,30%.

Em Lisboa, o índice PSI-20 avançou 105,59 pontos (1,69%) e fechou com 6.360,51 pontos. Na semana, o índice teve um ganho de 6,60% mas, no mês, o resultado foi negativo em 20,82%. EDP Renováveis avançou 11%, liderando os ganhos. Traders citaram uma recuperação técnica depois das quedas recentes. Galp subiu 4,7% depois que os reguladores da União Européia autorizaram a aquisição pela Galp das operações da ExxonMobil em Portugal.

GM decide por 2º período de férias coletivas no interior de SP

Posted in ECONOMIA on 31 de Outubro de 2008 by os.maias

Fonte: Reuters News

Indústria Automobilística


Atualizada às 17h47

A General Motors anunciou a trabalhadores nesta sexta-feira que fará um novo período de férias coletivas na unidade de São José dos Campos, interior de São Paulo, em linhas que produzem os modelos Corsa, Zafira e Montana, informou o sindicato dos metalúrgicos da região, citando comunicado da montadora.

O período segue-se a um primeiro, que começou em 20 de outubro e acaba em 2 de novembro, anunciado na mesma unidade no início do mês, e também a anúncios da véspera de medidas semelhantes em fábricas da montadora em Gravataí (RS) e em São Caetano do Sul (SP).

“Face à restrição de crédito que já impacta as vendas de veículos no mercado brasileiro e visando adequar os estoques das fábricas e da rede de concessionários, a GM tomou as decisões”, informou a assessoria da montadora.

Segundo cálculos do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, o novo período de férias coletivas na unidade, que emprega cerca de 10 mil pessoas, deve envolver entre 3 mil e 4 mil trabalhadores que atuam em linhas de produção de motores e também de veículos para mercado interno e externo.

A parada das atividades dos funcionários nessas linhas ocorre em três períodos distintos. Na área de produção de veículos desmontados para exportação (CKD), funcionários terão de ficar em casa por mais de um mês.

Como o período de férias coletivas nessa área vai de 24 de novembro e 23 de dezembro os trabalhadores terão de emendar com as festas de fim de ano, retornando a seus postos apenas em 5 de janeiro, segundo o sindicato.

Na montagem dos veículos Corsa, Zafira e Montana o período é entre 17 de novembro a 7 de dezembro e para os trabalhadores da área de motores (powertrain), a parada ocorre entre 17 a 30 de novembro.

No primeiro período, que envolveu 1.500 funcionários segundo o sindicato, a GM justificou a chamada de férias coletivas para se adequar à demanda externa em queda.

Números obtidos pela Reuters esta semana dão conta que até sexta-feira passada, as vendas de veículos novos no mercado interno brasileiro sofreram retração de 3,9% no mês em relação ao mesmo período de 2007, para 172.254 unidades. Na comparação com setembro, a queda foi de 12%.

Segundo os dados, a GM vendeu 35.693 unidades, queda de cinco por cento em relação ao mesmo intervalo do ano passado. Outras montadoras como Fiat e Volkswagen registraram quedas de vendas na mesma comparação.

A GM não informou no anúncio quantos trabalhadores serão atingidos pela decisão desta sexta-feira. Representantes da montadora não estavam imediatamente disponíveis para falar sobre o assunto.

“A gente está vendo que a crise está aumentando, mas ela até agora não deu esse impacto tão grande no mercado interno como as montadoras estão demonstrando com as férias coletivas. Além disso, o governo está sinalizando com crédito”, disse Araújo.

“A gente teme por demissões mais para frente. Não vamos aceitar que o trabalhador seja o primeiro a ser penalizado por uma crise que não foi ele que criou”, afirmou o sindicalista.

Lula: não há razão para guardar dinheiro debaixo do colchão

Posted in ECONOMIA, HUMOR, POLITICA on 31 de Outubro de 2008 by os.maias

Economia nacional


Elaine Lina
Direto de Havana

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira, em Havana, que as medidas anunciadas pelo Banco Central (BC) na quinta para liberar mais crédito para a economia foram corretas. Segundo Lula, o Brasil continuará crescendo e não é necessário que se guarde “dinheiro debaixo do colchão”.


“Para a economia continuar crescendo não pode faltar crédito. Queremos que as pessoas continuem comprando mais comida, roupas, carro, geladeira, computador. Portanto, não há razão para que as pessoas coloquem dinheiro debaixo do colchão”, disse o presidente, em visita a Havana.

“Você tem uma crise financeira em que você precisa fazer uma irrigação de crédito no País. O governo federal disponibiliza do compulsório para os bancos fazerem a irrigação, maseles não querem fazer; o Banco Central teve que tomar medidas que tomou. É importante que as pessoas entendam que a responsabilidade para garantir o bem-estar do povo brasileiro não é apenas do governo federal, é de todos aqueles que têm responsabilidades com o Brasil. Nós temos que pensar neste momento nas pessoas mais humildes, nos trabalhadores, nas pessoas que vivem de salários, que vivem de pequenos negócios e que precisam de crédito”, complementou.

“Não é justo, portanto, que alguns poucos se dêem ao luxo de receberem aporte financeiro da União e não repassarem para a população, para o micro e pequeno empresário.” Lula disse que tem ligado todo dia para o ministro da Fazenda Guido Mantega e o presidente do Banco Central Henrique Meirelles.

Em Cuba, Lula diz que mercado é ‘ovo sem gema’

Posted in POLITICA on 31 de Outubro de 2008 by os.maias


Lula diz que FMI e Banco Mundial não servem para nada

Presidente quer revisão do sistema de controle das instituições.
Segundo ele, crise mostrou que ‘mercado é um ovo sem gema’.

Jeferson Ribeiro Do G1, em Havana

Lula fala com jornalistas durante encontro em Havana nesta sexta-feira (31) (Foto: Adalberto Roque/AFP)

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a reclamar do sistema financeiro mundial nesta sexta-feira (31) durante a viagem oficial a Cuba. Lula defendeu mudanças no sistema financeiro mundial. Segundo ele, as instituições financeiras sempre se opuseram à regulação estatal, mas recorreram aos governos em busca de socorro ao estourar a crise financeira.

“É preciso mudar a economia mundial. O FMI (Fundo Monetário Internacional) e o Banco Mundial, do jeito que funcionam hoje, de nada servem. Os países precisam regular o sistema financeiro”, afirmou. “Descobriu-se que o mercado é um ovo sem gema”, completou.


Lula disse que o mercado tentou se libertar da ingerência do Estado, mas acabou recorrendo aos governos em busca de socorro. “E isso [a crise] provou que o mercado não se auto-regula, e é preciso que os países, principalmente os emergentes, que estão sendo apontados como salvadores do capitalismo, tenham direito a participar das decisões”, salientou.

Ele pediu que o mercado seja submetido a regras, como são os governantes. “Não dá para você ser submetido a uma lei e o sistema financeiro não ser”. Lula voltou a dizer que a crise é culpa dos especuladores, que “não fizeram produzir nem um botão”.

O presidente revelou ainda sua satisfação em pagar a dívida do Brasil com o FMI. “Eu tive uma alegria imensa no dia em que chamei o presidente do FMI, um espanhol chamado Rato [Rodrigo de Rato], e lhe disse: ‘Não preciso mais dos seus US$ 16 bilhões, pode levar’. Vocês não imaginam a alegria que tive. Eu que passei a vida inteira dizendo ‘Fora, FMI’, e, como presidente da República, ter chamado o FMI para dizer ‘Adeus, FMI'”, comemorou.

Lula iniciou sua visita oficial a Cuba nesta quinta-feira (30) e retorna nesta sexta ao Brasil. No país, o presidente assinou acordos de cooperação na área petrolífera e discutiu ajuda humanitária a Cuba, atingido pelos furacões Ike Gustav.

Petróleo

Neste sexta, a Petrobras assinou um contrato de exploração e produção de petróleo em águas cubanas com a Cuba Petróleo. O contrato terá duração de 32 anos, sete deles destinados à prospecção, e 25 à produção.

Durante o discurso de inauguração do escritório de negócios da Agência Brasileira de Promoção das Exportações e Investimentos (Apex Brasil), em Havana, Lula disse que tem vontade de se banhar com o petróleo extraído da camada pré-sal.

“Eu tenho vontade de tomar banho de petróleo, mas o Gabrielli [Sérgio Gabrielli, presidente da Petrobras] disse que não pode porque tem muitos produtos químicos no petróleo cru. Mas eu ainda farei alguma coisa, porque é emocionante”, disse.

Embargo

Nesta sexta-feira, Lula criticou a manutenção do embargo econômico a Cuba mesmo após a decisão da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta semana pelo fim do bloqueio.

Lula também falou sobre a eleição dos Estados Unidos, que ocorre na próxima semana. Para ele, uma vitória de Barack Obama seria um avanço. Segundo Lula, “da mesma forma como o Brasil elegeu um metalúrgico, a Bolívia elegeu um índio, a Venezuela elegeu o Chávez e o Paraguai elegeu um bispo, seria um avanço cultural a vitória de um negro na maior economia do mundo”… bla bla bla bla