Archive for the CRIME CONTRA CRIANÇAS Category

Detenido un sacerdote en Australia acusado de 22 delitos sexuales

Posted in CRIME CONTRA CRIANÇAS on 9 de Outubro de 2008 by os.maias

Los presuntos abusos fueron cometidos contra dos hermanos desde 1970.- Junto al religioso ha sido arrestado un hombre de 56 años por otros 13 delitos sexuales

EFE - Sidney – 09/10/2008

Un sacerdote católico y otro hombre han sido detenidos este jueves en Australia acusados de 35 presuntos delitos de abuso sexual contra menores cometidos desde 1970. El religioso, de 63 años, que ejerce en la ciudad de Newcastle, ha sido acusado de 22 delitos de acoso cometidos contra dos hermanos cuando éstos tenían 12 años, y el otro hombre de 13 abusos sexuales contra uno de los hermanos y otros dos jóvenes, que el momento de los hechos tenían 13 y 14 años. En el caso del religioso, es el tercer sacerdote de Newcastle acusado de abusar de niños en lo que va de año.

La semana pasada, otro antiguo cura católico de 57 años, Paul Raymond Evans, fue condenado a 15 años de prisión por abusos sexuales en Sidney. Según la organización Broken Rites, un total de 107 miembros de la Iglesia Católica han sido condenados en Australia por abusos sexuales sobre unas 1.000 víctimas. En los últimos meses, se han llevado a cabo además, varias detenciones dentro de la investigación policial bautizada como Strike Force Georgiana.

El Papa Benedicto XVI, durante su visita a Sidney en julio pasado, se reunió con cuatro víctimas cuyas identidades no fueron reveladas y expresó su pena por todo el dolor y sufrimiento que han pasado en una homilía privada.

Polícia prende ginecologista suspeito de estuprar 8 meninas em Goiânia

Posted in CRIME CONTRA CRIANÇAS on 4 de Outubro de 2008 by os.maias

A Polícia Civil de Goiânia prendeu um ginecologista suspeito de estuprar oito meninas entre 12 e 14 anos. Para aliciar as vítimas, o médico pagava R$ 20 para uma garota atrair colegas de escola, segundo a polícia.

João Batista Pinto, 47, foi preso ontem (29) no Hospital e Maternidade Vila Nova, sob a acusação de estupro com violência real, estupro com violência presumida, exploração sexual e corrupção de menores. Os crimes, segundo investigações, foram cometidos contra alunas do Colégio Estadual Jardim Balneário Meia Ponte.

O suspeito foi detido após ter a prisão decretada pela Justiça. Segundo a polícia, a Justiça analisou, além das informações do inquérito, o fato de João Batista ter fugido para Franca (400 km de SP) logo depois da veiculação do caso na imprensa local e de ele ter recebido ligação de uma das vítimas, que o avisou que a polícia estava à sua procura.

A garota, de 12 anos, prestou depoimento ontem e confirmou à polícia que fazia o papel de “cafetina” para o médico, que estava de plantão no momento da prisão. A menina disse à delegada Adriana Accorsi, titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), que recebia R$ 20 reais por cada amiga que ela arranjasse fazer sexo com o ginecologista.

Segundo a polícia, a menina também apontou outras duas colegas de escola que também mantiveram relações sexuais com o médico e que ainda eram desconhecidas da polícia. Das oito vítimas que já passaram pela DPCA, três afirmaram que foram estupradas pelo suspeito. Elas relataram à polícia que o médico oferecia entre R$ 50 e R$ 100 para fazer sexo com elas.

O suspeito pegava e deixava as meninas na rua dos fundos da escola, segundo a polícia. Ele sempre as levava para o mesmo motel, em um Renault Mégane preto. O médico mandava que as meninas virassem ou escondessem o rosto quando chegavam na recepção do motel. Uma delas, de 14 anos, que teria pedido para ir embora do motel, foi ameaçada de morte, segundo a polícia.

Para convencer a vítima de 14 anos a sair com ele, o médico telefonou insistentemente durante dois meses, segundo a polícia, convidando a garota para passeios em shoppings e restaurantes. O ginecologista ainda foi à porta da escola por várias vezes levando sorvetes e refrigerantes para ela e para as colegas de sala. A menina ganhou presentes –como roupas e CDs.

No dia do estupro, o médico disse à menina que as amigas estavam esperando no shopping com um amigo dele. Antes de ir para o motel, ele a levou a um shopping para tomar sorvete. Segundo as meninas afirmaram à polícia, o médico não usava preservativo durante as relações.

Meninas novas e magras

Em depoimento, a menina que disse ter agenciado as colegas para fazer sexo com o médico afirmou que o suspeito tinha preferência por meninas novas e magras. Ela disse que o conheceu por meio de sua irmã, de 17 anos.

Antes de viajar para Franca, o ginecologista teria ligado para suas vítimas para ameaçá-las, segundo a polícia.

João Batista é plantonista há um ano na Maternidade Vila Nova, e ontem foi o primeiro dia de trabalho após voltar de Franca. Ele afirmou ser casado e quem tem um filho para algumas vítimas, disse a polícia.

Para a delegada-titular da DPCA, João Batista inicialmente negou o envolvimento e disse estar sendo vítima de uma calúnia. Depois confirmou conhecer as meninas, mas disse que elas fizeram sexo com ele espontaneamente.

Laudos do IML (Instituto Médico Legal) confirmam as relações sexuais, segundo a delegacia. De acordo com a investigação, apenas a menina que agenciava as outras vítimas não fez sexo com o suspeito.

O médico tem dois antecedentes criminais por atentado violento ao pudor mediante fraude, cometidos em 2001 e 2002 contra duas mulheres, além de um processo por concussão (extorsão cometido por funcionário público no exercício de suas funções), cometido em 2001. Segundo a polícia, João Batista cobrou dinheiro de um paciente por um procedimento médico realizado pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

121 detenidos en la mayor operación contra la pornografía infantil en España

Posted in CRIME CONTRA CRIANÇAS on 2 de Outubro de 2008 by os.maias

AGENCIA ATLAS 01-10-2008

<!– Enviar –>

Entre los imputados hay un policía nacional y un agente del CNI

Entre los arrestados figuran un miembro de los servicios de inteligencia, un aspirante a guardia civil y un policía.- Dos de los detenidos fotografiaron a sus sobrinos en actitudes obscenas

ELPAÍS.com / EFE - Madrid – 01/10/2008

La lucha contra la pornografía infantil ha batido una nueva marca en España con la detención durante la última semana de septiembre de 121 personas por tenencia y distribución de material pedófilo en Internet. Entre los arrestados se encuentran un miembro del Centro Nacional de Inteligencia (CNI), un alumno de la Guardia Civil de la escuela de Baeza (Jaén) y un policía nacional, informa la Cadena SER. Según fuentes de la investigación, se trata de la mayor operación realizada en España contra la pornografía infantil. Más de 800 agentes del Cuerpo Nacional de Policía han participado en los arrestos y registros de hasta 210 domicilios en 42 provincias. En el marco de la operación han resultado imputadas otras 96 personas y se han intervenido millones de archivos de vídeo y fotografías. Entre este material incautado figuran, según la Policía Nacional, imágenes de agresiones a menores de “extrema dureza”. Dos de los detenidos fotografiaron a dos de sus sobrinos de menos de diez años en actitudes obscenas, aunque por ahora no consta que abusaran sexualmente de ellos.

Los dos presuntos pederastas que utilizaron a sus sobrinos para la elaboración del material pornográfico son españoles, uno de 31 años y el otro de 40, y fueron arrestados en sus domicilios de Badalona (Barcelona) y Cantabria, ha explicado en rueda de prensa el responsable de la Brigada de Investigación Tecnológica de la Policía (BIT), Juan Manuel Vázquez.

Todos los detenidos son hombres y entre ellos hay cuatro adolescentes de 17 años. El perfil laboral es diverso: hay cuatro profesionales de la docencia -aunque ninguno trabajaba con niños-, estudiantes, informáticos, pilotos comerciales, conserjes, taxistas, empleados de banca, una veintena de desempleados. Según informa la Cadena SER, entre los arrestados hay un miembro del Centro Nacional de Inteligencia (CNI), un alumno de la Guardia Civil de la escuela de Baeza (Jaén) y un agente del Cuerpo Nacional de Policía.

La policía inició las detenciones el pasado 23 de septiembre y cerró el atestado ayer mismo, último día de septiembre. Fue la Operación Carrusel de ámbito internacional (que permitió localizar en una red de intercambio de archivos más de 18.000 conexiones en 75 países diferentes) la que motivó que la Brigada de Investigación Tecnológica centrase sus pesquisas en España a través de 1.600 conexiones P2P que intercambiaban archivos clasificados como pre-teen o pcth (pre-teen hard core).

Los 210 registros, en los que han participado 200 secretarios judiciales, se han saldado con la incautación de 347 discos duros, 1.186 CD y DVD, 36 ordenadores portátiles, 15 pendrive (memorias digitales), dos cámaras de fotos, dos cintas VHS y siete tarjetas de almacenamiento.

La Policía Nacional ha calificado esta operación como la mayor realizada en España contra la pornografía infantil. Esto es, la operación con más detenidos y material incautado desde el nacimiento de la BIT en 1995, departamento que ha reforzado la lucha contra estos delitos. Tanto es así que UNICEF, agencia de la ONU destinada a la protección de la infancia, ha concedido a la BIT en 2008 el premio Los niños primero.

Según los datos de la Policía Nacional, los 121 detenidos esta última semana se suman a los más de 1.200 arrestados por delitos similares en los últimos cinco años.

Esta macrooperación se conoce un día después de que la Guardia Civil interviniese más de 15.000 archivos de contenido pedófilo, detuviese a cuatro personas e imputase a otras tres en las provincias de Valencia, A Coruña, Madrid, Asturias, Barcelona y Murcia.

La Guardia Civil interviene 15.000 archivos de pornografía infantil y detiene a cuatro personas

En la operación, realizada entre las provincias de Valencia, A Coruña, Madrid, Asturias, Barcelona y Murcia, han sido imputadas otras tres personas

La Guardia Civil mantiene abierta una operación contra la difusión de pornografía infantil por Internet tras haber logrado intervenir más de 15.000 archivos, detener a cuatro personas e imputar a otras tres en las provincias de Valencia, A Coruña, Madrid, Asturias, Barcelona y Murcia.

Las investigaciones comenzaron hace unos meses, cuando agentes de la Unidad Orgánica de Policía Judicial de la Guardia Civil de Valencia rastrearon una red de pornografía infantil que distribuía a través de Internet. Así, averiguaron que uno de los archivos con contenido pedófilo era utilizado con 12 nombres diferentes, lo que implicaba una gran difusión a través de la red. Los agentes intensificaron las investigaciones, dentro del marco de la Operación Álbum, para localizar e identificar al responsable de la distribución del fichero, así como a las personas que se habían descargado ese archivo.

El pasado jueves se llevó a cabo otra fase de la operación con ocho registros de domicilios situados en La Coruña, Asturias, Madrid, Barcelona, Murcia y Valencia. Según fuentes de la Guardia Civil, en la operación se han intervenido trece discos duros y 611 DVD con contenido pornográfico.


O prefeito acusado de pedofilia

Posted in CRIME CONTRA CRIANÇAS on 2 de Outubro de 2008 by os.maias

Enfermeira afirma que Paulo César Neme, prefeito e médico pediatra na cidade de Lorena (SP), tentou abusar de um garoto de 12 anos
Flavio Machado

Quando a enfermeira Rosane do Amaral viu o sobrinho de 12 anos chegar chorando da escola, logo pensou se tratar de uma briga entre garotos. Mas o motivo das lágrimas, segundo o relato do menino, era mais grave: ele afirmava ter sofrido uma tentativa de abuso sexual. Assustado, disse à tia que fora atraído até a casa de um homem com uma promessa inocente. Lá, o sujeito teria apalpado seus órgãos genitais e o estimulado a receber sexo oral.

Vale Paraibano
SUSPEITA
Candidato à reeleição, o prefeito de Lorena, Paulo César Neme, é acusado de abuso de menores

Transtornada, Rosane pediu ao sobrinho para levá-la até a casa do tal homem. Segundo o relato de Rosane, ambos refizeram, andando, o caminho recém-percorrido pelo garoto. Próximo ao centro da cidade, diz a tia, o menino parou numa esquina da rua Professor Frederico Ramos e apontou uma casa elegante, com grandes portões de ferro pintados de branco. Rosane entrou em choque. Aquela era a casa de Paulo César Neme, médico pediatra de 52 anos e prefeito de Lorena, uma cidade de 86 mil habitantes no Vale do Paraíba, em São Paulo. Sem saber o que fazer, a enfermeira saiu de lá aos prantos. Depois de duas noites sem dormir, ela resolveu denunciar o prefeito à polícia.

Nascido em Colina, norte do Estado, Neme migrou para o Vale do Paraíba depois de terminar a faculdade de Medicina, com especialidade em pediatria. Desde sua chegada a Lorena, há cerca de 30 anos, ele mantém em seu consultório uma espécie de instituto filantrópico: cobra as consultas de quem pode pagar e atende gratuitamente as pessoas carentes do município. Sua forte ligação com a população chamou a atenção dos políticos da cidade. Em 2000, foi candidato a vice-prefeito. Sua chapa perdeu, mas boa parte da expressiva votação foi atribuída a Neme. Elegeu-se deputado estadual em 2002, cargo que deixaria dois anos depois para assumir a Prefeitura, conquistada com quase 50% dos votos. Hoje, lidera as pesquisas. Procurado em sua casa e na sede da prefeitura, Paulo Neme informou por meio da advogada Eliziane Araújo, sua assessora jurídica, que não irá se pronunciar sobre as acusações de pedofilia.

Rosane ligou para o disque-denúncia e contou a história narrada pelo sobrinho, há dois meses. Este é o relato em que se baseia a denúncia. “Ele parou meu sobrinho na saída da escola. Disse que ele estava gordinho, que precisava de um tratamento, e mandou que ele o seguisse com a bicicleta”, diz Rosane. “Dentro do consultório, que funciona na casa, o prefeito mandou o garoto tirar a roupa para ser examinado. Depois de apalpar a genitália do menino, ele se agachou e tentou fazer sexo oral. Meu sobrinho entrou em pânico e se vestiu. O Dr. Paulo disse para ele se acalmar e voltar no dia seguinte para ganhar um tênis”. A partir daquele dia, Rosane conta que passou a pagar uma van para levar o sobrinho da escola para casa, um percurso de poucas quadras antes feito de bicicleta. “Levei-o a um psicólogo também. Ele é ingênuo, não entende direito o que aconteceu, tenho medo de que ele fique com algum problema”, diz. Os pais do menino se separaram quando ele tinha 2 anos. Desde então, a guarda pertence à avó, mãe de Rosane, mas é a tia quem cuida dele.

Frederic Jean
ACUSAÇÃO
L.S., hoje com 19 anos, diz ter feito parte do círculo íntimo do prefeito e o acusa de oferecer dinheiro aos jovens em troca de silêncio.

“Todo mundo sabe o que acontece lá. Se você passar na frente da casa dele lá pelas 20 horas vai ver a fila de garotos querendo ganhar um dinheirinho. Todo dia tem fila”, diz um senhor no balcão de uma pastelaria na praça central da cidade. De acordo com José Willy Giaconi Júnior, delegado licenciado do município, o prefeito alicia os jovens oferecendo roupas e tênis caros em troca de favores sexuais. “A maioria dos garotos é carente. A família não denuncia porque depende da Prefeitura, seja por ter um parente empregado lá ou por algum benefício que receba”, diz Giaconi Júnior. “Não é fácil conseguir provas. Os garotos não falam por dois motivos: uns porque não querem perder o dinheiro fácil; outros porque têm medo dos colegas que fazem parte do esquema.” Com exceção da enfermeira Rosane, todas as pessoas ouvidas por ÉPOCA só aceitaram falar sobre o assunto sob a condição de anonimato.

Outro possível envolvido é L. S., hoje com 19 anos. Ele diz ter feito parte do círculo de intimidade do prefeito no passado, mas tem medo de falar sobre o assunto. “Comecei a ir à casa dele quando tinha 15 anos. Quem é novo sempre é levado por alguém que o Dr. Paulo já conhece. Quem sai nunca fala sobre o assunto”, diz L.S. “Nos primeiros encontros, ele se satisfaz apenas apalpando, por cima da roupa. Quando pega mais intimidade, passa a fazer sexo oral.” L.S. afirma que, na semana passada, o prefeito ofereceu dinheiro para os garotos que, caso procurados para falar sobre o assunto, permanecessem de boca fechada. A recompensa seria, segundo ele, de R$ 80 para cada um.

O gerente de uma loja de roupas esportivas do centro de Lorena confirma que o prefeito Paulo Neme costuma comprar presentes para distribuir entre os garotos da cidade “De vez em quando vem um garoto escolher um tênis ou um skate e fala que o prefeito vai pagar. Nós ligamos para confirmar e ele manda alguém com o dinheiro”, diz o gerente. Segundo Giaconi Júnior, uma dessas negociações acabou em confusão. “Quando eu era o delegado, o prefeito sofreu uma tentativa de assalto na porta de um caixa eletrônico. Um rapaz encostou-o na parede pedindo dinheiro. O prefeito caiu e quebrou o braço. Prendemos um rapaz de 16 anos que confessou ter abordado o prefeito para cobrar uma dívida de favores sexuais. Disse ainda que a queda fora acidental.”

No relato, o garoto disse que havia recebido um ‘vale tênis’ mas a loja não aceitou, porque o prefeito estaria devendo cerca de R$ 18 mil. Giaconi Junior conta que liberou o rapaz com o compromisso de tomar o depoimento no dia seguinte, mas que algo aconteceu antes disso. “O garoto negou toda a história. O prefeito foi até lá e não o reconheceu. Ficou por isso mesmo. Fiquei sabendo depois que a mãe dele trabalhava na Prefeitura”, diz.

Frederic Jean
COINCIDÊNCIA
Acusado de pedofilia, o prefeito despacha ao lado do Conselho Tutelar de Lorena

Um senhor diz que seus dois filhos já foram parceiros sexuais do prefeito Paulo Neme. Ambos teriam sido apresentados ao médico quando eram adolescentes. “Hoje um tem 22 anos e o outro 19. O mais velho começou a ir lá quando tinha 14 anos. E depois levou o mais novo”, diz. Os rapazes teriam recebido roupas, calçados, dinheiro e até ingressos para bailes. “Eu achava estranho, não gostava daquilo, mas não podia fazer nada”, diz o homem. O pai descreve a atenção do médico Paulo Neme ao atender um de seus filhos em seu consultório. “Uma vez, o mais novo machucou o pênis. Levei no Dr. Paulo, que passou ele na frente de todo mundo na fila. Depois o menino contou que o médico ficou mexendo demais nele”. Perguntado se ele voltou a levar o garoto lá, respondeu: “Era o único que atendia de graça”.

Além da investigação sobre o caso do sobrinho de Rosane, há um procedimento no Ministério Público para apurar denúncia similar. Segundo o promotor Carlos Eduardo Brechani, de Lorena, houve uma denúncia contra Neme por abuso de menores. Como ele tem foro privilegiado, a documentação foi remetida à Câmara Especializada em Crimes Praticados por Prefeitos, do Ministério Público de São Paulo. Rosane diz que aguarda agora o dia em que seu sobrinho poderá andar novamente de bicicleta pelo bairro. “Com ele (prefeito) por aí não tenho confiança, o menino só vai sozinho até a lachonete, aqui na esquina”, diz. “A avó dele, minha mãe, não sabe da história, ela vai ficar chocada, mas isso tem que parar”.

Polícia encontra corpos de crianças em freezer nos EUA

Posted in CRIME CONTRA CRIANÇAS on 30 de Setembro de 2008 by os.maias

Corpos ainda não foram identificados; mulher foi presa suspeita de envolvimento.

Componentes.montarControleTexto(“ctrl_texto”)
– Os corpos de duas crianças foram encontrados congelados dentro de um freezer em uma residência na cidade de Lusby, nos Estados Unidos, segundo informações da polícia do Estado de Maryland.

Os policiais encontraram os corpos no sábado, durante uma operação na residência para investigar uma suspeita de abuso de uma terceira criança.

Segundo a polícia local, a menina, de sete anos, demonstrava sinais de “abuso extremo e abandono”.

O delegado do condado de Calvert, Mike Evans, disse à BBC que uma mulher de 43 anos foi presa suspeita de envolvimento no caso e permanece detida sem direito à fiança.

A mulher disse à polícia que os dois corpos são de duas filhas adotadas e estariam congelados desde fevereiro.

Ela admitiu ainda que batia na menina de sete anos com “um sapato de salto duro”.

Identificação

A polícia confirmou que a mulher havia adotado três crianças, mas as autoridades ainda não examinaram ou identificaram os corpos encontrados na residência.

A mulher foi acusada de abuso infantil de primeiro grau e está detida em uma prisão local.

Em uma coletiva de imprensa na segunda-feira, o delegado Mike Evans afirmou que o caso é uma “tragédia”.

“Você pensa que já viu tudo, mas não viu”, disse. BBC Brasil – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Polícia prende homem acusado de pedofilia em Osasco

Posted in CRIME CONTRA CRIANÇAS on 27 de Setembro de 2008 by os.maias

Garoto de 11 anos encontrado com ele disse que homem dava cestas básicas para manter relações

Solange Spigliatti – estadao.com.br


Componentes.montarControleTexto(“ctrl_texto”)

SÃO PAULO – Após denúncia anônima de pedofilia, a Polícia Militar prendeu em flagrante, na tarde deste sábado, 27, José Luís Martins de Oliveira, de 48 anos. Segundo informações da PM, o homem foi detido quando os policiais chegaram em um barraco na Rua André Rovai, em Presidente Altino, Osasco, na Grande são Paulo, por volta das 14h30, e encontraram o homem com um menor de 11 anos.

Veja também

link Todas as notícias publicadas sobre pedofilia lista

Segundo depoimento do menor aos policiais, eles vinham mantendo relações sexuais há alguns meses. Em troca, o menor recebia cestas básicas, roupas, doces e até material para trabalhar nas esquinas lavando vidros dos veículos. Ainda de acordo com o menor, pelos menos outros três meninos, amigos seus, também eram vítimas do suspeito. Além de pedofilia, a polícia vai trabalhar com a hipótese de cárcere privado.

A ocorrência está sendo apresentada na Delegacia Seccional de Osasco para as providências da Polícia Judiciária.

Mãe e avô são formalmente acusados pela morte de menina de 4 anos em Israel

Posted in CRIME CONTRA CRIANÇAS on 22 de Setembro de 2008 by os.maias

Corpo de Rose Pizem, de 4 anos, foi achado em mala em rio em Tel Aviv.
Avô, que também era padrasto da menina, assumiu o crime, mas recuou.

Do G1, com agências internacionais

Mergulhadores recuperam mala com possível corpo de Rose, no rio Yarkon, em 11 de setembro. (Foto: Jack Guez/AFP)

Autoridades israelenses indiciaram nesta segunda-feira (22) a mãe e o avô paterno de Rose Pizem, a menina de quatro anos encontrada morta em um rio de Tel Aviv.

O caso comoveu Israel. A busca pelo corpo durou semanas, e ele finalmente foi encontrado no último dia 11, dentro de uma mala nas margens do Rio Yarkon.

Segundo o Ministério da Justiça, os promotores acusaram Ronny Ron, de 45 anos, e Marie-Charlotte Renault, 23, de assassinato. Os dois estão presos e podem recorrer.

Segundo o inquérito, Rose foi dada como desaparecida em maio. As notícias sobre o caso só vieram a público no fim de agosto, depois que um tribunal derrubou o segredo de justiça.

Rose teria sido morta pelo avô Ronnie Ron, de 45 anos, que também era seu padrasto.

A polícia estava atrás do corpo desde que o avô paterno e a mãe de Rose -que eram amantes, segundo a polícia- foram presos suspeitos de assassinato.

O avô disse à polícia que havia matado a menina “acidentalmente”, após um acesso de fúria, e teria colocado o corpo em uma mala e o jogado no rio. Depois, ele recuou da afirmação e disse que teria sido forçado a confessar o crime.

Investigadores disseram que suspeitam que o filho do suspeito e a mãe de Rose se casaram quando adolescentes na França, após a filha ter nascido. O casal visitou Israel. Durante a visita, a mãe de Rose teria se apaixonado pelo sogro israelense e se mudado para morar com ele.

Imagem de arquivo mostra a menina israelense. A foto foi liberada pelo canal Channel 10, nesta terça-feira (26) (Foto: Channel 10 News/Reuters)

O pai e Rose voltaram à França, mas a mãe da menina ganhou em um tribunal francês o direito de trazer a filha pra morar com ela e com o avô em Israel.

A investigação foi iniciada depois que a avó da menina escreveu às autoridades israelenses dizendo que não via a neta havia muitos meses.
O caso, com seus detalhes sórdidos, chocou Israel. As TVs do país interromperam sua programação para transmitir, ao vivo, a cena da descoberta da mala pela polícia no dia 11.

Carta

O jornal israelense “Haaretz” publicou no dia 12 uma suposta carta póstuma que a mãe de Rose, Marie-Charlotte Renault, teria escrito para a filha. Nela, ela diz: “Me desculpe, garota.”

Ela também diz: “Rose, desculpe muito por eu não ter sabido entender você. Entender sua angústia, seu sofrimento, por não ter sabido pegar você nos meus braços e te dizer o quanto eu te amo.”

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.